Espere o inesperado

Quando eu leio sobre a conversão de Saulo, no capítulo nove do livro de Atos dos apóstolos, eu me pergunto porque Jesus o escolheu; logo ele, um fariseu perseguidor de cristãos.

Durante a sua vida terrena, Jesus muitas vezes entrou em conflito com os fariseus, e disse coisas horríveis a respeito deles. A última coisa que alguém poderia esperar é que Jesus escolhesse justamente um deles para ser o seu maior apóstolo, mas Jesus nunca se apegou a rótulos — Ele não se importa com o que os outros dizem a seu respeito.

Não custa repetir aquele célebre versículo:

“O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração.”

Havia tantos bons cristãos em Jerusalém, então porque não escolher um deles? Por que não aceitar a escolha de Matias, o apóstolo eleito democraticamente, mas de quem ninguém se lembra?

O caso de Matias está ai para nos lembrar que a escolha dos obreiros não deve partir de nós, mas do Senhor, e ele escolhe as pessoas que menos esperamos. Ele elege pessoas que, aos nosso olhos, não seriam nem candidatas (Lembra de Davi?).

Deve ter sido chocante para Ananias, quando Jesus lhe apareceu em visão e lhe disse que tinha escolhido a Saulo como seu instrumento:

“Saulo, o perseguidor?” “Ele mesmo.” “O que consentiu pela morte de Estevão?” “Sim, esse Saulo.” “O que odeia cristãos? O que devastou a igreja?” “Sim.” “Eu tenho ouvido coisas horríveis a respeito dele.” “Bem, eu o escolhi.” “O que o Senhor viu nele?”

Se Jesus olha o coração, ele deve ter gostado do que viu em Saulo. Por trás dos esteriótipos, ali estava um homem cheio de qualidades que só precisam ser redirecionadas. Um trabalhador incansável, alguém capaz de se dedicar com paixão a uma causa, um profundo conhecedor da palavra de Deus e um judeu com cidadania romana. Era tudo o que Jesus precisava.

E Jesus o chamou, ou melhor, o convocou. Sim, porque não foi tipo uma entrevista de emprego: “Saulo, você tem um bom currículo. Gostaria de trabalhar para mim?”Quando o Senhor chama alguém, está mais para serviço militar obrigatório. Ele não aceita um não como resposta. Não importa se você é um cristão ou não, se ele te chamar você deve ir.

Saulo era contemporâneo de Jesus, mas nunca o conheceu pessoalmente. Quando Jesus morreu, ele deveria ter cerca de vinte e três anos de idade e ainda era um estudante de teologia, aprendendo as escrituras aos pés de Gamaliel, um dos grandes eruditos da sua época.

Em uma de suas cartas, Paulo escreveu que Jesus apareceu a ele [já ressurreto, no caminho de Damasco], como a um que nasceu fora de tempo. Como a um que nasceu fora do tempo? Que demais!: “Não nasci a tempo de ser chamado como todos os outros discípulos, mas, mesmo assim, o Senhor desceu aqui para me chamar.” Mas Saulo não nasceu fora de tempo — foi apenas uma figura de linguagem — , nem foi chamado por acaso.

Eu mesmo, por algum tempo, imaginei Jesus nos céus, sentado à direita de Deus, observando as ações de Saulo: “Olha aquele lá, Pai.” “O perseguidor?” “Sim, ele mesmo. Ele é muito bom no que faz.” “Em perseguir cristãos?” “Sim. Nós precisamos de alguém assim do nosso lado, não acha?”

Teria sido um diálogo e tanto, mas não foi assim que aconteceu. Em sua carta aos Gálatas o apóstolo Paulo escreveu que Deus o tinha separado desde o ventre materno. Sim, desde o ventre materno.

Foi mais ou menos como está escrito no Salmo 139:

“Os teus olhos viram o meu embrião; e todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir.”

É assim que as coisas funcionam, com Deus. A nossa vida é um livro que já foi escrito, e o nosso chamado é o capítulo mais importante. Quando o Senhor chamou Jeremias, o que foi que ele disse?:

“Antes de formá-lo no ventre eu o escolhi; antes de você nascer, eu o separei e o designei profeta às nações”.

Ou seja, quando o Senhor escolheu você, você ainda nem existia e você ainda era um feto quando ele separou você para a obra do ministério. Simples assim. Davi nasceu para ser rei, Samuel nasceu para ser profeta, Saulo nasceu para ser apóstolo e você também nasceu com um propósito.

O ponto é que Saulo não foi escolhido pelas suas qualidades, ele tinha as qualidades porque era um escolhido. Se você foi escolhido desde o ventre, então tudo o que aconteceu a partir do seu nascimento foi para preparar você para a sua vocação.

Ou você acha que Davi se tornou pastor de ovelhas por acaso? Ou você acha que Ester se tornou rainha por força do acaso? Ou você acha que foi por acaso que Saulo estudou aos pés de Gamaliel? Não, por trás do acaso sempre há uma mão invisível conduzindo os acontecimentos. Tudo acontece com um propósito.

Você pode ainda não ter sido chamado, mas você já está sendo preparado, porque a preparação antecede o chamado. O chamado é a cereja do bolo! É o momento incrível em que você descobre o seu destino e a sua vida começa a fazer sentido como nunca antes, e você começa a entender porque teve que passar por tudo o que passou.

Todos temos um chamado para exercer uma função individual no Reino de Deus e no corpo de Cristo.

“Vocês não me escolheram, mas eu os escolhi”, disse Jesus.

Nós olhamos para a grandeza do chamado, mas não fomos chamado para a grandeza, fomos chamados para o serviço. Ester não foi chamada para ser rainha, ela foi chamada para salvar o seu povo. Davi não foi chamado para ser Rei, ele foi chamado para pastorear uma nação. Todo chamado é para servir à igreja, para servir ao Reino. A exaltação é consequência.

Saulo era um escolhido, mas não sabia até Jesus chamá-lo. Você já se perguntou quantos eleitos existem por ai, que ainda não foram chamados. Pode ser aquele carinha que fica perseguindo os crentes nas redes sociais. Pode ser aquela universitária que tem toda a sua carreira planejada. Pode ser aquele cantor de uma banda famosa (tipo Raimundos).

Pode ser qualquer um! Até mesmo você está ouvindo este sermão. Como saber? Não se preocupe, se você foi escolhido, mais cedo ou mais tarde você vai ser chamado. Você poderá estar andando por uma estrada como Saulo, ou dormindo tranquilamente como Samuel, ou trabalhando arduamente como Davi, Pedro, Eliseu, Gideão e tantos outros…

Então você verá a luz, e tudo começará a fazer sentido. Você ficará cego para o mundo e só terá olhos para Deus, como Saulo. Porque, no fim, todos temos o nosso próprio caminho de Damasco.

Espere o inesperado!