Ocupa Escola no Estado da Guanabara: um movimento multi-coletivo

As ocupações das escolas no Estado da Guanabara têm funcionado como ponto de encontro de afetos dos diversos coletivos criados, principalmente, no pós junho-2013. Por isso elas estão tomando uma cara de movimento multi-coletivo através das redes sociais digitais. As ocupações são o ponto de encontro de corpos políticos dos múltiplos coletivos que se interrelacionam. Um exemplo disto é a organização do ‘Domingão no Cairu’ (http://bit.ly/1VpQQM4), planejado para este domingo no Ocupa Cairu; os Coletivos se articulam orgânica e horizontalmente com os estudantes para promover aula de graffiti com artistas conhecidos no cenário carioca, stencil, pequenos shows, e outros atividades a confirmar.

Os estudantes tomam a escola para si num momento de crise generalizada, fazendo o que o Estado não faz. Pode até parecer desorganizado, mas é, na verdade, uma ação direta de profunda auto-reorganização da educação pública. E a horizontalidade das escolas ocupadas, interconctadas entre si e a Coletivos, gera uma força poderosa contra possíveis investidas de deslegitimação do movimento. E mais, a multi-coletividade do movimento retroalimenta uma pedagogia extra-curricular única, produzindo conhecimentos dos mais variados. Os estudantes cortam as amarras de um sistema educacional retrógrado, e se colocam livres para criar. E esta potente pedagogia de criação é uma das características mais impressionantes das ocupações das escolas pelos estudantes auto-governados.

#EspalhaOcupaEscola

#DomingãoNoCairu

#Junho2013Vive