Pai Rico Pai Pobre

Iniciei a leitura do livro Pai Rico Pai Pobre, de Robert Kiyosaki e Sharon Lechter, sem muitas expectativas. Ninguém o tinha indicado para mim. Eu estava buscando mais conhecimentos sobre investimentos e gestão financeira, e como o livro é um clássico decidi compra-lo. Logo de início a obra me surpreendeu, apresentando linhas de pensamento interessantes que me motivaram a querer saber mais. Este post apresentará pontos que considerei relevantes, juntamente com minhas opiniões. As frases citadas durante o texto foram retiradas do próprio livro.

Uma das coisas que me prendeu ao livro logo no início da leitura foi o fato do autor mencionar que seu pai (o pai pobre) lhe dava o seguinte conselho: “Estude e tire boas notas para conseguir um bom emprego e crescer na vida.”. Acredito que um grande número de jovens e crianças escuta este conselho de seus pais. Eu sei que eu o ouvi inúmeras vezes. E veja bem, o fato de estudar e tirar boas notas não tem nada de errado, muito pelo contrário. O problema é focar em buscar um emprego seguro que dê estabilidade. É neste ponto que o conselho do Pai Rico diverge. Ele dizia que os garotos deveriam estudar e se preparar para abrir ou adquirir sua própria empresa, caso contrário estariam trabalhando para enriquecer alguém.

Não acho que todos devam buscar abrir uma empresa, pois isto depende muito do perfil da pessoa e de seus objetivos. Acho que o que Pai Rico queria dizer era que todos devem agir como empreendedores em suas vidas, aceitando riscos (calculados) e indo atrás dos seus sonhos. A verdade é que muitas pessoas se acomodam em seus empregos, criam raízes em suas zonas de conforto, e não desenvolvem seu potencial. Isto acaba resultando em uma vida sem grandes emoções e de alguns arrependimentos.

“Muitas vezes, no mundo real, não são os talentosos que vão em frente, mas os ousados.”

Um dos conceitos chave apresentado no livro é a corrida dos ratos. A corrida dos ratos é o processo que acontece com as pessoas que as faz gastar mais a medida que começam a ganhar mais. Isto as leva a buscar maiores salários, iniciando um ciclo que afeta a qualidade de vida das pessoas. Vamos a um exemplo:

Joãozinho é promovido em sua empresa e seu salário é duplicado. Com o aumento Joãozinho cai na próxima faixa do IR, e começa a pagar mais impostos ao governo. Mas isto não é problema, todos pagam impostos, certo? Com o novo salário, Joãozinho conseguiu um novo cartão de crédito, com um limite maior, o que o leva a fazer algumas compras para a casa. Além disso, para comemorar a promoção, Joãozinho decide trocar de carro, e faz um financiamento para a compra de um carro 0 KM. Com o financiamento do carro, a conta do cartão de crédito maior e mais impostos a serem pagos, Joãozinho começa a trabalhar horas extras e vende parte das férias para amortizar o financiamento.

Esta é a corrida dos ratos.

“Uma distinção importante é que os ricos compram ativos de luxo por último, enquanto os pobres e classe média tendem a fazê-lo primeiro.”

Para escapar da corrida dos ratos e buscar a independência financeira, os dois pontos mais importantes que tirei dos conselhos do Pai Rico foram conhecimento e mindset. O conhecimento de mercado, entendimento de balanços e identificação de oportunidades são essenciais para a seleção de investimento que retornarão lucros. Para isso é necessário investir em conhecimento. Pai Rico afirmava que nossa mente é nosso maior ativo, e por isso devemos investir na educação em primeiro lugar.

“Seu maior risco é o que você não sabe.”

Em relação ao conhecimento, saber a diferença entre um ativo e um passivo é a regra número um para Pai Rico. Basicamente, um ativo é o que põe dinheiro no teu bolso (exemplo: receber aluguel de um imóvel), enquanto um passivo é o que tira dinheiro dele (exemplo: financiamento de um carro). Segundo Pai Rico, uma diferença chave entre ricos e pobres é que os ricos priorizam aumentar sua coluna de ativos, enquanto os pobres estão a aumentar sua coluna de passivos, comprometendo grande parte de suas rendas em coisas que não retornarão lucros.

“A maioria das pessoas não percebe que na vida não importa quanto dinheiro você ganha, mas quanto dinheiro você conserva.”

O mindset refere-se ao modo de analisar a situação em que estamos. Pai Rico aconselhava que ao invés de dizer “Não dá para comprar isso”, devemos nos perguntar “O que posso fazer para comprar isso?”. Nesse ponto entra bastante a visão empreendedora, de buscar soluções em situações difíceis. Não devemos culpar outras pessoas ou fatores externos pela nossa situação, mas sim assumir a responsabilidade e ir atrás do que queremos.

Estes são só alguns pontos tratados no livro, apresentados de forma bastante resumida aqui. Recomendo a leitura do livro a todos que tenham interesse no assunto. Uma das críticas que o livro recebe é por não dar dicas práticas ou modelos de como alcançar a independência financeira. Na minha opinião o livro busca despertar o desejo por um maior conhecimento financeiro, sendo um ponto de partida. Já que a maioria das nossas escolas não nos ensina a administrar recursos de modo a expandi-los, cabe a nós buscar conhecimento em outras fontes, e o livro Pai Rico Pai Podre é um bom lugar para começar.

“Agir é sempre melhor do que ficar parado.”

Você já leu o livro e destacaria outros pontos, ou tem sugestões de leituras similares? Deixe nos comentários :)

Like what you read? Give Alexandre Junges a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.