O momento "Missão: Impossível" ou "Scooby-Doo" de Arya em Game of Thrones— (Crédito: reprodução)

A audácia (ou cascata?) de Arya

A cena de abertura do primeiro episódio da sétima temporada de Game of Thrones incomodou muita gente por causa do que chamam de "o momento Missão: Impossível" ou "Scooby-Doo", dependendo do histórico cultural de cada um. Como costumam dizer a cada polêmica: estão sendo justos com ela?

O incômodo é compreensível. Arya Stark é mais baixa, mais magra, como imitou a voz de Walder Frey? e assim por diante. E GoT é, em geral, uma série com uma mistura de realismo cru e componentes de magia e romance histórico. Os elementos fantásticos são cuidadosamente dosados e foram sendo colocados na trama lentamente ao longo de anos, para que o público os entendesse e abraçasse.

Então, por um lado, quem acompanhou a jornada de Arya Stark, não se surpreende tanto assim com o truque, simplesmente assume que ela aprendeu “algo” com os sem face e que esse algo que nunca aparece direito na frente das câmeras faz com que seus disfarces sejam perfeitos. É magia?

Mas até aqui, nenhum personagem do primeiro (ou segundo) time tinha sido substituído por um dos sem face. Walder Frey é uma outra discussão.

Quem leu os livros está ansioso para ver se a cena estará no próximo romance a ser lançado. O nível de detalhe e a escolha do narrador da cena é sempre crucial para entende-la. Ver se, por exemplo, quem narra a cena é Arya, descrevendo como conseguiu armar tudo, ou a esposa de Frey poupada no banquete mortal, descrevendo como enxergou o comportamento do marido naquela noite fatídica.

Mas mais que tudo, uma tradição de histórias como essa é a de contar as façanhas de personagens extraordinários que fazem coisas nunca antes tentadas. Da mesma forma que Jon Snow ou Tyrion ou Daenerys ou Sam são personagens fora de série que fazem o que ninguém conseguiu antes deles, se alguém poderia realizar algo tão audacioso, vamos combinar que seria a Arya. Ela tem a combinação de ousadia e ódio (e inexperiência) necessários para tentar algo tão fora do padrão. Algo que mesmo os sem face não teriam coragem de tentar.

É por isso que estamos acompanhando a história destes personagens. Porque suas jornadas são incomuns, seus feitos "viram lendas". Mas não se satisfaça com essas considerações. Uma das graças da ficção popular moderna é, sim, discutir e discordar das tramas. Então, quem não engoliu a audácia de Arya tem todo o direito de reclamar. Mas está lá. No mundo fantástico de Game of Thrones, foi o que aconteceu. E a lista vai ficando mais curta, viu Cersei?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.