abaixo meus olhos e posso contar estrelas.

no teu olhar senti a imperfeita miudeza de ser — “eu sou, tu és, nós sonhos”
esse buraco que enfeita meu peito só precisava de motivos para acreditar. 
não cabe palavra sobre-peso na balança da justiça. então, entre a hipocrisia da vida e as vísceras que remoo para falar de você, prefiro te chamar de sonho.

era dia 17. a gente se conheceu literalmente no paraíso. ilha de itaparica. seu cabelo reluzia que nem meus olhos enquanto te escrevo esse texto. meu nome de anjo deve ter feito esse jogo. eu mesmo não seria capaz de imaginar. 
desajeito, um “hello”. uma palavra inventada por um alemão foi o despertar para a melhor história que eu jamais escrevi. . .“dasein”. . 
cê sabe, até hoje eu não sei o que isso significa. mas minha maldição é essa. me apaixono todo dia por aquilo que não consigo explicar.
não acredite nas minhas mentiras. quando te olho, já nem consigo mais ser eu. você é o além de tudo. é por isso que te chamo de sonho. contigo tudo é invenção.

eu tinha 11 anos quando aconteceu. pobre. sem perspectiva. sem pai. a vida era corrida pro abismo. todos ali sabiam. estavam atônitos. mas eu não. sempre fui o único que não derramou uma lágrima. 
a partida sempre será dolorosa: então trabalhe. esqueça das lágrimas. trabalhe. esqueça da dor. trabalhe. esqueça da vida. trabalhe. petrifique o coração. desacredite do mundo. esqueça de sonhar.

quando as coisas precisam mudar, elas só acontecem. foi aí que eu te conheci.

no processo de edição da vida me recorto por inteiro pra extrair algumas palavras. você me desdobrou e fez dos meus recortes origami.

a palavra, sabe? depois da primeira despedida na ilha foi para você que eu destinei o significado de ‘sonho.’ 10.146 quilômetros. 6304 milhas. 
números grandiosos são capazes de destruir frustrações, para criar barreiras.
mas contigo sempre foi diferente. 
desaprendi a sonhar por me acostumar a ser expulso de tudo que é canto. 
seu coração captou essa mensagem. soube a hora certa pro convite. 
a sua presença anula qualquer sofrimento que já passei nessa vida. 
a sua inteligência é um encanto. sua áurea carrega arte.
voltou na hora certa para levar consigo as palavras mais preciosas que já emanei pro universo. 
eu te amo.

e entre nós sempre vai ser assim. diferente de tudo que eu já vivi. 
dez mil quilômetros é uma longa distância, mas não é capaz de apagar sonhos. seis mil e quatro milhas valem de cada segundo porque eu me pego com a mão tremendo no saguão de desembarque do aeroporto. minha cara de bobo falando português com sotaque de moçambique e você deixando os momentos perfeitos trocando um “eu te amo” por “tchau”. nada será capaz de ser maior que isso.

você havia me dito que hoje era só mais um dia, mas por toda culpa sua, eu sou obrigado a acreditar. acreditar na teimosia. relembrar de cada detalhe que eu não sei explicar, para poder me reapaixonar por você a cada flash de sonho.

um com sete são oito. e nós deitados viajamos o infinito inteiro.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alexandre Ribeiro Barros’s story.