Escárnio Democrático de Direito

Precisamos discutir as leis que permitiram Bruno Fernandes sair da cadeia depois de apenas seis anos preso.

O goleiro Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos de prisão por vários crimes, entre eles o assassinato da mãe de seu filho. Segundo a sentença, ele é responsável e o mandante do homicídio, esquartejamento e ocultação do corpo. Um crime bárbaro e hediondo sob qualquer ponto de vista.

Sônia Moura, mãe de Eliza Samúdio, mostra a foto do neto "Bruninho"

Bruno ficou 6 anos e 7 meses de cadeia. Aos 32 anos, Bruno está solto. Eliza foi morta aos 25.

Segundo os especialistas da Globonews, a causa da violência é “desigualdade social” (Bruno era um milionário e uma celebridade de sucesso) e a “cultura do aprisionamento”. Agora ele não está mais preso e os especialistas da Globonews podem comemorar.

Para os reacionários da ultra-extrema-direita-conservadora como eu, a criminalidade no país é explicada, em grande parte, pela impunidade e pela leniência (ou conivência) com a bandidagem.

Se você pensa que soltar um assassino psicopata em seis anos é uma aberração, ajude a começar um movimento para elegermos senadores e deputados comprometidos com a revisão da legislação penal do Brasil.

Ano que vem é ano de eleição. Pare de reclamar e participe de qualquer movimento que coloque no parlamento políticos comprometidos de verdade com a mudança do código penal e das leis que permitiram que Bruno, apenas seis anos depois de preso, seja solto na sexta-feira de Carnaval, pronto para a folia.

Assumo aqui o compromisso com vocês de participar da luta por uma bancada de senadores e deputados contra o crime. Alguns deles já estão no parlamento mas são minoria e precisamos ter maioria para mudanças realmente profundas nas leis. Espero poder contar também com advogados comprometidos com a vida na elaboração urgente de propostas para chegarmos a um país em que o crime hediondo não compense.

“A corrupção é um mal social”, diz Leandro Karnal

Sei que a ponta de estoque da filosofia forneceu figuras ao debate público que estão por aí dizendo que furar fila é o mesmo que roubar bilhões da Petrobras, mas qualquer bípede sabe que defender que “todos são criminosos” é uma maneira de absolver os verdadeiros vilões da sociedade.

Quando se fala em “tolerância zero” à criminalidade, quando a teoria da janela quebrada é citada, a intenção é exatamente que não se deixe o clima de impunidade tomar conta. O menino que pegou uma fruta no pomar do vizinho não é igual ao monstro que premeditou, matou e esquartejou a mãe do próprio filho, mesmo que o menino mereça um puxão de orelha do pai, até para que não se torne um criminoso no futuro.

O país que colocou Bruno em liberdade depois de seis anos na cadeia é o mesmo que prendeu Eliana Tranchesi, herdeira da Daslu, numa operação das mais espetaculares que o Brasil tem notícia. Eliana conseguiu sair da prisão por conta do tratamento do câncer que acabou matando a empresária poucos anos depois.

Eliana Tranchesi, herdeira da Daslu

Eliana Tranchesi foi condenada a 94 anos e seis meses de prisão por sonegação fiscal. Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos por uma série de crimes que incluem sequestro, assassinato premeditado e esquartejamento do corpo. Seis anos depois de preso, aos 32 anos, ele está solto.

A justiça brasileira considerou a sonegação fiscal de Eliana Tranchesi um crime quase cinco vezes mais grave do que os de Bruno Fernandes. Sequestrar e matar é, comparando as duas sentenças, muito mais leve do que não pagar imposto de importação de produtos. Este é o valor da vida no Brasil, especialmente se comparado à sanha arrecadadora do estado.

A defesa da vida é a primeira e mais importante pauta do Brasil hoje. Não esqueça disso. Quando assassinos estão soltos nas ruas procurando a próxima vítima, o preso é você.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alexandre Borges’s story.