Lemann e o dinheiro dos outros

O homem mais rico do Brasil acha que o problema do país é a “desigualdade”. Aparentemente, ele quer dividir a riqueza dos outros.

A fortuna pessoal de Jorge Paulo Lemann é estimada, segundo a Forbes, em R$ 100.000.000.000,00. Você leu direito, é o número 1 seguido de 11 zeros. Cem bilhões de reais ou cem mil milhões, como diriam nossos amigos portugueses.

É tanto dinheiro que facilmente perdemos o senso de proporção. Para facilitar: 100 bilhões de reais corresponde a 1 milhão multiplicado por 100 mil. Lemann poderia dividir seu patrimônio e criar cem mil milionários numa canetada. Ou poderia dar cem mil reais para um milhão de brasileiros, você escolhe. Mas a matéria da Folha sugere que ele acredita em dividir o dinheiro dos outros.

Li “Sonho Grande”, o livro de Cristiane Correa sobre dos “capitalistas brasileiros” que “conquistaram o mundo”. Lemann parece que precisa reler o livro e lembrar que ele acumulou sua fortuna por conta de uma inteligência acima da média, trabalho duro e uma ambição sem limites. Agora que venceu, quer melar o jogo para os pobres mortais que, na visão de muitos ricos, não nasceram com os mesmos superpoderes? Se ele realmente pensa isso, está enganado.

Desigualdade é o que representa o patrimônio de Jorge Paulo Lemann em relação ao resto dos brasileiros e não há qualquer problema nisso, ao menos para quem não teve o cérebro corroído por departamentos de humanas das universidades ocidentais. O problema é a falta de mobilidade.

É claro que Lemann teve um início de vida diferenciado, com suas partidas de tênis no Country Club de Ipanema e sua formação em Harvard. Mas esta é a história de todos os bilionários da lista da Forbes? Uma olhada na lista mostrará que não.

O primeiro da lista, Bill Gates, é um empreendedor que largou Harvard para mergulhar no próprio negócio, mesmo tendo entrado na mais prestigiosa faculdade do mundo com 1590 pontos em 1600 possíveis no SAT, uma espécie de ENEM americano. Gates era de classe média alta mas é claro que sua fortuna vem do seu gênio e da sua obstinação pelo trabalho, além de estar no lugar certo e no momento certo da ascensão dos computadores nos EUA da era Reagan.

O segundo da lista, o espanhol Amancio Ortega, dono da Zara, é filho de ferroviário e começou a vida profissional aos 14 anos quando largou a escola e foi trabalhar como costureiro numa pequena loja. Ortega tem mais que o dobro do dinheiro de Lemann.

Seguem na lista Warren Buffett, Carlos Slim, Jeff Bezos, Mark Zuckerberg, Larry Ellison, Michael Bloomberg e os irmãos Koch. Algum sultão, rei ou herdeiro de um conglomerado? Nenhum. E aí está a beleza única do capitalismo.

A lista dos mais ricos da Forbes começou em 1987 e eu recomendo que você dê uma olhada nela antes de formar uma opinião definitiva sobre o assunto. Você verá que os ricos de 30 anos atrás, bem como seus herdeiros, praticamente não são encontrados na lista atual. A riqueza, no livre mercado, é móvel.

Colocar governos para arbitrar quem pode ou não pode ter dinheiro já foi tentado e nunca deu certo ou dará. Simplesmente não funciona e arbitrariedade, quando substituta do mérito, acaba por empobrecer quem finge querer ajudar.

O que faz o crescimento econômico e o desenvolvimento é a livre alocação de recursos por seus proprietários, que apostam seu próprio patrimônio no mercado na tentativa de multiplicar o investimento. Seu sucesso depende da aceitação do consumidor que livremente premiará seu talento, trabalho duro e criatividade com dinheiro, numa troca em que ambos saem ganhando.

Quando governos saem da economia, o espírito empreendedor da população floresce e os caminhos para a mobilidade social se abrem. Nos países em que os burocratas, a elite culpada, os intelectuais e os artistas resolvem decidir em nome do povo onde o dinheiro do país deve ser gasto, o resultado é miséria, corrupção e, claro, mais “desigualdade” entre a elite e o população.

Ricos, assim como artistas e acadêmicos, devem ser reconhecidos pelo que conquistaram e pelo que sabem fazer, não necessariamente por suas idéias políticas e seu código moral e ético, não raro totalmente distintos do resto da população. Especialmente quando sua principal proposta é filantropia com o dinheiro alheio.

A solidariedade humana reside na moral e não na economia. O homem mais rico da lista da Forbes é também o fundador da Bill & Melinda Gates Foundation, é a maior fundação de caridade do mundo, e seu maior doador é, além do próprio Bill Gates, Warren Buffet. Isto deveria sugerir algo ao brasileiro que aparece na 19a posição.

Deve haver um ótimo motivo para Lemann não dividir hoje mesmo seu patrimônio. O que não fica bem é ele achar que o problema do mundo é o patrimônio dos outros.

Leia mais:

Como você não é daqueles que defendem caridade com o dinheiro dos outros, pode ajudar esta página a continuar existindo. Veja como fazer sua doação aqui: https://www.patreon.com/alexborges

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.