O inimigo agora é o mesmo

Hoje é dia de fazer história. O Brasil pode enterrar de vez a falsa polarização entre PT-PSDB.

Num domingo como hoje, 10 de fevereiro de 1980, centenas de intelectuais, líderes sindicais e ativistas se reuniam para fundar o que viria a ser o Partido dos Trabalhadores. Entre eles, dois amigos fraternos: Luís Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Trinta e oito ano depois, é hora de se despedir de ambos.

FHC e Lula na fundação do PT (10/02/1980)

Menos de um ano após a promulgação da Lei da Anistia, a esquerda brasileira se articulava num projeto que unia acadêmicos e sindicalistas para fundar um partido e criar um projeto político que, depois de tomar conta do Palácio do Planalto em 1994, só viria a ser despejado vinte e dois anos depois com o impeachment de Dilma Rousseff. O Brasil tem a chance histórica de jogar finalmente todos os esquerdistas do Colégio Sion nos livros de história.

"Sou de esquerda, mas ninguém acredita"
Fernando Henrique Cardoso (09/04/2014)

Com o fim da Guerra Fria, a queda do Muro de Berlim (1989) e o fim da União Soviética (1991), o mundo foi convencido de que a viveria "o fim da história" e o triunfo do "capitalismo". O que se viu foi o nascimento de uma nova ordem mundial em que entidades supranacionais como o Mercosul (1991), a União Européia (1993) e o NAFTA (1994) transformariam a democracia num jogo de carta marcadas em que as grandes decisões políticas, econômicas e sociais seriam tomadas por uma burocracia sem rosto em locais como Davos, Genebra e Bruxelas, e o cidadão transformado num mero carimbador de decisões superiores de "gente que sabe mais".

A idéia do "globalismo" político e econômico não é nova, mas tem como momento-chave o lançamento, em novembro de 1989, um conjunto de orientações que serviriam como uma regra mundial de política econômica definidas pelo FMI, Banco Mundial e autoridades do tesouro americano. A esquerda costuma se referir às dez regras como o "Consenso de Washington". Os anos 90 foram a década da aplicação destas regras, com algumas consequências econômicas positivas e impactos políticos nefastos com os quais temos que lidar até hoje.

Os maiores golpes já recebidos pelos arautos do "globalismo" foram em 2016 com o Brexit e a eleição do nacionalista Donald Trump contra Hillary "mundo sem fronteiras" Clinton. A batalha mais importante do mundo hoje envolve a luta entre os defensores do globalismo político e econômico, que transforma nações em provícias administrativas, presidentes em fantoches e eleitores em meros signatários de decisões previamente tomadas sem a sua participação ou de qualquer representante diretamente eleito por ele.

Este Consenso teve seu reflexo no Brasil com os governos tucanos entre 1994–2002, com evidentes avanços econômicos em relação ao caos deixados pelos antecessores Sarney e Collor, mas que abriram as portas para que a hegemonia cultural de esquerda, ou a "superestrutura" para ficarmos na fraseologia marxista tão cara a FHC e seus companheiros, fosse entregue de bandeja para diversos tons de vermelho na política brasileira. O resultado está aí e ninguém aguenta mais.

Quando o Brasil foi tomado de assalto pelas notícias do Mensalão em 2005 e de como o esquema petista de poder funcionava na prática, um dos mais proeminentes opositores do processo de impeachment foi ninguém menos que FHC, a quem se atribui a expressão "deixar o PT sangrar até a eleição". A frase seria repetida pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ex-candidato a vice na chapa de Aécio Neves, por ocasião das manifestações de 15 de março de 2015. Os bons companheiros se protegeram e ainda se protegem, apesar das brigas de fachada.

O resultado de tamanho embuste começou a ficar evidente quando Aécio Neves e Geraldo Alckmin foram vaiados e expulsos das manifestações, numa mensagem clara para a classe política brasileira de que o cidadão não mais compactuava com a dança de cadeiras entre os esquerdistas de macacão e os de sobretudo. O Brasil pedia mudanças reais e está prestes a ser atendido.

A se confirmarem nas urnas o resultado das últimas pesquisas, a eleição de Jair Bolsonaro será o "Brexit" brasileiro, a resposta da população que morre nas ruas, que não suporta mais o inchaço do estado interventor, o desemprego e a falta de crescimento econômico, a pauperização dos serviços públicos, a destruição da educação pública, aparelhada e ideologizada para a criação de novos militantes de esquerda, é o basta do brasileiro comum contra os "intelectuais porém idiotas", expressão criada por Nassim Nicholas Taleb para definir os malabaristas de abstrações, mestres em passar em exames mas cuja sabedoria e entendimento da realidade podem ser inferiores ao menos ilustrado dos cidadãos que fingem representar.

O Brasil começou a reagir com firmeza em 2015, após um ensaio atabalhoado e errático em 2013, com as maiores manifestações da sua história que levaram a um processo constitucional de impeachment e a oportunidade única do surgimento de candidaturas finalmente alinhadas com as idéias e prioridades da população que quer trabalhar e empreender com liberdade, criar seus filhos em segurança e sem assédio moral ou sexual pela cultura pop e em sala de aula, que tem na "tradicional moral cristã e burguesa" a estabilidade para construir sua trajetória pessoal em defesa da vida, liberdade e busca da felicidade, como dito nas eternas palavras de Thomas Jefferson na Declaração de Independência Americana.

A aliança nefasta entre acadêmicos marxistas e sindicalistas cleptomaníacos pode ser página virada no Brasil em poucas horas ou em poucas semanas, caso haja segundo turno. Não ouso influenciar qualquer decisão do eleitor, mas torço para que ele dê oportunidade para mudança real e uma chance para um país mais livre, próspero e com o governo servindo o cidadão.

Aproveite o domingo não apenas para votar mas também para orar pelo país e conversar com amigos, familiares e colegas sobre que país você quer, mais próximo ou mais distante do projeto que começa em belos salões na Europa mas termina em Caracas ou numa cela de Curitiba. O país tem milhões de desempregados, inadimplentes e vítimas da violência, brasileiros incapazes de exercer sua cidadania de forma plena e digna, e isso tem que acabar.

O casamento entre a USP e a CUT, que domina o país desde 1994, pode hoje ser divorciado do poder. Que assim seja, pelo futuro do país.