Certa vez tinha uma barata no meu quarto em um vão entre a parede e o roupeiro , me rendi ao clichê de usar o chinelo . Uma simples chinelada não é o suficiente para matá-la — apesar de tê-lo usado como se fosse uma esgrima — como vocês devem saber… Poucos minutos depois a barata saiu do canto aonde se encontrava e estacionou ao lado da minha cama. Permaneceu imóvel durante todo o tempo enquanto eu refletia sobre o porquê dela parar ali tão perto de mim. Foi então que cheguei a conclusão de que, se ela falasse, seria algo do tipo:

— humano idiota, estou aqui porque tu tens a obrigação de terminar o que começou! Acabe logo com isso e prove que são a raça mais evoluída, digo, estúpida do mundo…

Atendendo ao pedido suplicante eu “terminei o serviço”.

Antes que ela falasse mais alguma coisa.

Like what you read? Give Alexsandro Henrique a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.