Como eu fui do OP5 para o POCOF1, Galaxy S8+ e OP6 em menos de 1 mês

Eu poderia começar esse texto de várias formas diferentes, mas vou ser objetivo pois a história é grande. Depois de alguns anos no iPhone e várias tentativas frustradas de migrar para o Android. Eu finalmente consegui um ecossistema que conseguisse me atender da melhor forma possível. Estou falando do Oneplus 5 com o OxygenOS. Na época já havia sido lançado o Oneplus 5T sem o botão abaixo da tela. Mas como estava muito acostumado ao iPhone (com o botão) e já havia me frustado muito nos últimos anos resolvi não arriscar. Foi assim que eu comprei o meu primeiro aparelho da Oneplus. Caso você não esteja reconhecendo a empresa, se trata de uma fabricante chinesa fundada no final de 2013 que faz parte do grupo BBK Electronics juntamente com a OPPO e a VIVO na China. O grupo BBK fica atrás apenas da Samsung, superando até mesmo a Apple em quantidades de aparelhos vendidos, contabilizando as 3 “marcas”. A Oneplus como empresa firmou uma parceria com uma das ROM’s mais famosas e queridas dos fãs, a CyanogenMod. Uma ROM adorada pela comunidade devidos a atenção que os desenvolvedores davam aos usuários com modificações no sistema. Com essa parceria a Oneplus conseguiu criar um aparelho solido, robusto, potente, bonito e rápido por um preço justo. É claro que existe uma questão de gosto pessoal. Mas é impossível negar que o Oneplus é um dos aparelhos mais rápidos e fluidos do mundo. A fluidez com que o sistema funciona é incrível. Dito isso, vamos as vias de fato. Depois de quase um ano com o Oneplus 5 e muito mal acostumado aos seus 8GB de RAM de 128GB de armazenamento, resolvi trocar de aparelho. Eu precisava de uma tela maior. Estava utilizando o smartphone pra resolver praticamente tudo na minha vida. Mesmo quando estava em casa não fazia mais sentido ligar o notebook. Eu poderia simplesmente tirar o aparelho do bolso e trabalhar, afinal ele tinha a mesma memória do meu notebook e estava ali, no meu bolso esperando para ser usado. Sendo assim, comecei a pesquisar. O hype do Pocophone F1 nessa época era admirável, pipocava na minha tela videos e mais videos falando sobre o novo aparelho da Xiaomi. O melhor custo beneficio do mercado. Com poder de sobra para fazer qualquer atividade, pagando menos da metade de um topo de linha de qualquer outra marca no mercado. Pois é, eu cai no hype. Mas tenho que ser sincero e justo, o aparelho é incrível. Muito rápido. Porém, pesado. Com uma bateria de 4000 mAh, o Poco F1 pesa cerca de 182 gramas. Não só isso ele tem uma espessura de 8.8 mm, para efeito de comparação o iPhone X da Apple tem 7.7 mm. Então, apesar de ser um aparelho muito rápido, era pesado e espesso. O que torna a experiencia de uso um pouco massante ao final do dia. Foi por esse motivo que devolvi o Pocophone F1 no sexto dia de uso e continuei com meu Oneplus 5 por mais uma semana e foi então que fiz o que gosto de chamar de segundo erro no mês e quinto ou sexto na vida, que foi comprar um aparelho da Samsung, o Galaxy S8+. Não quero me estender, pois o texto já esta grande. Mas pra quem já usou o Oneplus em algum momento, vai entender que o OxygenOS faz o Galaxy S8+ parecer um “PC da XUXA”. Veja bem, não estou dizendo que ele seja um aparelho ruim, muito menos lento ou algo do tipo. É um ótimo aparelho, pra quem não esta acostumado com a fluidez do OxygenOS instalado no Oneplus. É perceptível a diferença entre eles e se torna até mesmo contra produtivo e frustrante em certos momentos. Foi assim que no quarto dia de uso eu comprei um Oneplus 6 e devolvi o Galaxy S8+. No momento estou em um caminho sem volta, assim como com o iPhone a anos atrás. Preso ao conjunto de qualidades que a Oneplus proporciona. Um aparelho leve, poderoso, rápido e produtivo. Detalhes pequenos que fazem a diferença. Foi assim que eu foi de um Oneplus 5 para um Pocophone F1 seguido de um Galaxy S8+ e finalmente o Oneplus 6. Um abraço a todos e obrigado por ter chegado até aqui.