Política, religião e futebol se discute sim! Mas não no Facebook.

Se você abrir um dicionário ou pesquisar a palavra “discussão” irá achar poucas definições, tais como: “Ato ou efeito de discutir; exame de um assunto por meio de argumentos; argumentação que tem por fim chegar à verdade ou elucidar dificuldades; debate”. Debate. Debater.

Não. Não se discute isso no Facebook.

Você pode até conversar sobre o que você quiser mas, discutir? Não. Conversar? Definição básica do verbo conversar: “Troca de informações entre duas ou mais pessoas; entreter-se em conversa sobre; ter trato íntimo”. Conversar pode.

Qualquer individuo que tenha o mínimo, o ínfimo mesmo, de noção sobre gesticulação e linguagem corporal sabe a diferença de escrever e falar. Um clássico exemplo disso vem lá do surgimento das redes sociais -falo desde a época do ICQ mesmo-, que é o uso de letras maiúsculas para indicar que a pessoa está brava, gritando… Veja: na sua mente este “não!” é diferente deste “NÃO!”. Já tive vários desentendimentos conversando com amigos pela internet por causa disto, por achar que estão escrevendo do mesmo jeito que falam. E não é assim que funciona.

A maioria das discussões sobre politica no Facebook é entre duas (ou mais) pessoas que moram longe, que talvez não se encontrem há certo tempo ou até mesmo que nunca estiveram frente a frente para conversar. Se você discute com seu vizinho no Facebook porque ele é do partido oposto ao seu, você está condenando seus argumentos que, no final, serão todos escritos em vão.

Você pode muito bem “discutir politica no Facebook” enquanto ouve uma musica no Spotify, enquanto se alimenta na frente do computador, enquanto responde sua mãe no WhatsApp, enquanto faz outras dezenas de coisas ao mesmo tempo. Você pode “discutir política no Facebook” com a aba sobre todas as propostas do seu candidato aberta ao lado, com milhares de argumentos ao seu favor na “discussão”, com alguém que acha que política é aquilo que o governo faz -ou deveria fazer-.

Discutir religião ja é complicado, no Facebook então… Meu Deus. Eu ja presenciei a chatice de ver um ateu tentando mudar a crença de um católico durante uma semana. Impossível. É claro que todo cristão tem obrigação de defender sua fé, afinal, está na Bíblia. Lá em Pedro capítulo 3, versículo 15, diz o seguinte:

“…estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós”.

Torna-se, assim, obrigação do cristão estar sempre em condições de falar sobre a fé e justificá-la. Você realmente quer discutir pelo Facebook um assunto com quem tem o preparo necessário para poder explicar porque tem-se a certeza de que a Bíblia é a palavra autêntica de Deus? Cuidado para não metralhar ideais construídos por você pensando que vai ajudar alguma pessoa a pensar igual você. Ela pode estar fazendo o mesmo e você nem percebeu. Se George Carlin fosse discutir religião no Facebook, ele iniciaria uma “treta” publicando isto em sua Time Line:

“A Religião convenceu as pessoas de que existe um homem-invisível morando no céu, que vê tudo que você faz, todo dia, a todo instante. E esse homem-invisível criou uma lista de 10 coisas que ele não quer que você faça. Se você fizer uma dessas 10 coisas, ele tem um lugar especial cheio de fogo, fumaça, ardor, tortura e angústia, para onde ele te envia para sofrer e se queimar e se sufocar e gritar e chorar para todo o sempre até o fim dos tempos… Mas ele te ama!”

Vai discutir com esse cara?

E o futebol? Opa! Traz uma breja, um amendoinzinho e um pagodinho. Vamos falar sobre o coringão. Chama aquele cara que foi condenado a 27 anos de prisão, pois, em 2011, matou seus dois irmãos, durante uma discussão que, teve por ínicio, o fato dele estar com uma camiseta do time São Paulo Futebol Clube

“Ninguém é dono da verdade” -Papa Francisco.

Quer discutir politica/religião/futebol com alguém? Discuta pessoalmente com esse alguém, pois você não terá a opção de deletar o que você disse. Discuta num lugar ideal que seja do seu gosto e desse alguém também, apto a entender e olhar de uma maneira diferente o que a outra pessoa está falando, e apto a ter certeza do que você está dizendo sem precisar mostrar links sobre o partido/deus/time oposto.

Politica se discute sim! Aliás, politica, religião e futebol se discute sim! Mas não no Facebook.


Conheça O Opiniário
Clique em Recommend para compartilhar este artigo com seus seguidores.
Estamos também no Facebook.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.