Nunca vou perdoar

Não adianta mandar carta:
eu não vou ler. 
Não adianta me esperar:
eu não vou responder. 
Não adianta dizer que chora:
eu não vou entender.

Nada vai adiantar
porque eu nunca
– me escuta: nunca –
vou conseguir te perdoar.

Você me roubou
mais do que dinheiro, tempo, juventude e amor. 
Você me culpou
por seus problemas, dilemas, fraquezas, torpezas. 
Você me deixou
sem avistar, sem avisar, sem ligar e sem lugar.

Eu preferia que você tivesse 
me mentido, traído, distraído, 
mas você só me destratou 
e de você se distratou. 
Eu preferia que você tivesse
morrido.
Mas você se matou:
foi embora sem me contar
nem me permitiu continuar
só planejou me abandonar.

E, agora, não dá pra se desculpar.
Tem como parar de mandar
me dizerem que você me ama?
Eu só quero voltar a respirar, 
eu só quero sair dessa cama.

Com a sua morte, 
teve um corte, 
sobrou pouco, quase nada, 
do que eu era, uma miséria. 
Agora eu tenho que me reconstruir
fazer outros planos
consertar os danos
e viver os próximos anos 
sem você. 
Eu nunca vou te perdoar. 
E você nunca vai saber.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.