O que vem de dentro tem força

Respeita teu coração

(ilustra da deusa Edinara Patzlaff)

Depois de um final de semana de muita energia externa, parei uns minutinhos para ter um momento mais reflexivo e preencher minha Mandala Lunar. Nem sempre preencho, nem sempre consigo (ou me permito) parar esse tempinho para cuidar de mim. Mas quando crio esse espaço, coisas mágicas acontecem.

Nesse mundão doido de mil horários marcados, correria, novecentas notificações de todas as redes sociais possíveis, correndo contra o tempo que nós mesmos criamos, a gente vai perdendo a capacidade de enxergar e sentir o sutil. Mas sempre é hora de dar aquela pausa, respirar fundo e reorganizar os sentimentos.

Pq tem muita coisa dentro da gente que merece carinho. Não dá para esquecer de vasculhar.

E é aí mesmo que eu estou agorinha. Cavando dentro de mim. Estava ali na agenda escrevendo minhas intenções para esse novo ciclo e me veio a vontade de escrever mais do que uma página. Me deu vontade de vir pra cá. Pq escrever é sim uma rica forma de expressar o que está guardadinho dentro da gente. Seja lá o que for, seja lá a forma: deixa vir.

Em tempos de textão, parece que a gente criou até um medo de expressar livremente com medo do julgamento. E na verdade se fizer sentido para quem está escrevendo, está tudo bem.

Eu escrevi a vida toda. Em caderninhos, blogs secretos, agendas, blocos…. Tenho vários deles em casa e, em algum momento da vida, deixei para trás. O motivo não sei, mas sinto que esse resgate é importante agora. Que trazer meu sentir para as palavras é uma forma de me respeitar.

Seguido me pego arrependida e sem energia por ter feito algo que eu não queria ter feito. Pq simplesmente ignorei o que o meu coração e meu corpo diziam. Fingi que não precisa deles. E a verdade é que para estar plena em qualquer coisa que eu fizer, preciso estar de corpo e alma. Se meu corpo e minha alma não querem, faz sentido? Pq eu me obrigo?

Talvez pq a gente nunca tenha dado atenção a esse cuidado. Afinal, a nossa educação é toda pautada pelo outro. Nos ensinam muito sobre como nos portar diante de várias situações em grupo. Mas alguém nos ensina a como cuidar da gente? Como mergulhar profundamente dentro de si?

Não me ensinaram e imagino que a maioria das pessoas que eu conheço estejam nesse processo semelhante ao meu: aprendendo na marra, no bom sentido.

Nunquinha é tarde. Ainda dá tempo. Vamos começar esse novo ciclo tendo consciência que o que tem dentro da gente tem muita força. Dando energia para o que merece nossa energia. Amando em todas as nossas palavras e atitudes. Não esquecendo quem a gente é. Levando verdade em todos os cantos. E respeitando, respeitando demais o nosso coração. Vamos?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.