O verbo é amar

Passamos por tantas coisas na vida, que ás vezes é difícil explicar ou expressar. Mas palavras não somem, só precisei de tempo para encontrá-las.

Quero começar esse momento, contando como cheguei até aqui e como me tornei quem sou hoje!

Passei anos da minha vida à procura de alguém que me completasse. Um companheiro, amigo, que me fizesse ver e viver de uma forma diferente. Acreditava que até então, não tinha muita bagagem para carregar e poucas histórias para contar.

Então um dia fui agraciada com uma pessoa: autêntica, com vontades, desejos e atitudes que eu ainda não desejava ter. Foi uma relação linda, enquanto soubemos viver o namoro. Novos amigos, que seguem para toda a vida. Viagens, que por mais simples, foram muito significantes. Noites incalculáveis, sem dormir, porque estava tão bom, que não valia a pena parar só para descansar. Risos soltos, gargalhadas inspiradoras, carinhos maliciosos, briguinhas desnecessárias, mas fortalecedoras. Ciúmes bobo…

De fato me desprendi de muitos paradoxos, muitos pensamentos retrógrados. Deixei para trás uma garota que tinha pavor de “ o que os outros irão pensar?”. A vida ficou diferente. Até que, por medo, nossa relação foi ao nada e acabou.

Não, essa não é uma história triste…

Quando me perdi e perdi a quem pensei ser a pessoa da minha vida, me encontrei.

Conheci a mim, achei a pessoa que eu queria ser, desde o começo dessas resumida história. Em meio ás tormentas, choros e velas me amei de novo. Descobri um forma de viver que me encanta, me inspira. Posso afirmar que a minha melhor companhia, sou eu!

Sim… Eu viajo sozinha, dou gargalhada de momento particulares, caio e me levanto.

Comecei a admirar o silêncio e a intimidade que só ele pode trazer.

Conheci a simplicidade que é o amar. Aprendi a perdoar qualquer um e principalmente a mim. Amar mesmo sem ser amada. Doei o melhor de mim para tudo e para todos, mesmo que ninguém notasse.

Recebi e recebo em dobro, amor, carinho, reconhecimento… Hoje digo com toda convicção, eu aprendi a viver para mim e isso me torna a pessoa que ilumina as outras (Não sou prepotente, foi um amigo que disse, rsrs.).

Então, depois de alguns caminhos retos e tortos, mas muito importantes, tenho muitas histórias para contar, muita bagagem para carregar e um coração cheio de vida e vontade de viver ainda mais.