Acabei de chegar de uma caminhada que durou 2 horas. Impressionante como a gente tem dificuldade de não pensar em nada. Mas em meio a tantos pensamentos e disciplina pra prestar atenção somente na respiração, consegui ter momentos de não pensar em nada.

Essa semana uma amiga me sugeriu criar um blog, pra colocar todas as coisas pra fora, sabe?! Mal sabe ela que eu já tenho esse médium, que eu já tive agendas, caderninhos, fotolog e até mesmo o bom e velho blog com o domínio de .blog mesmo. Talvez eu devesse falar pra ela sobre esse espaço e tudo isso.

O fato é que to precisando mesmo por tanta coisa pra fora que ao mesmo tempo nem quero, porque é tanta coisa…

Meus braços doem. No final da cmainhada parei pra levantar uns pesos, daqueles aparelhos que a Pepsi colocou na Orla do Guaíba, sabe?! Melhor eu fazer uma planilha dos exercícios, senão amanhã não levanto de dor hehehehe

Na volta da caminhada perto de casa, optei por um caminho mais movimentado. Rua da República, alguns barzinhos, cafeteria, etc…

Me vi olhando para as pessoas sentadas e por um momento me deparei com o pensamento de não olhar, de seguir em frente, olhando em frente. Mas ao final do bar e das últimas mesas, me deparo com a minha ex, reconheço em partes e concluo que é ela pela voz… "Daí na véspera de feriado…", disse ela. Tomei um susto, primeiro por ser ela, segundo porque nem deu tempo de reconhecer quem estava junto, mas eu vi duas pessoas. Fiquei me perguntando se eu não conheço mais com quem ela anda e o que será que aconteceu na véspera de feriado. Me perguntei também se eu teria feito alguma coisa. Nesses meses de solteirice, não consegui me desvencilhar da pessoa dela.

O fato é que sonhei com ela essa noite. Conversavamos na cozinha da minha casa e no meio da conversa minha mãe entra e deixamos a conversa pra outro momento. Acordei com aquela sensação de algo interrompido, como se a nossa relação tivesse sido interrompida e quem sabe um dia, poderemos falar sobre. Contei pra uma amiga do sonho e ela me mostrou uma perscpectiva que eu não tinha percebido: minha mãe sempre no meio das minhas relações. No meio de tudo, pra falar a verdade. Se mãe e sogra são assim, a maioria diz que sim, mas talvez seja um pouco demais.

Não sei se acredito na força do pensamento. Muitos dizem que sou cética. É melhor eu acreditar que foi apenas uma coincidência. Mas foi uma coincidência feliz. Apesar de ter me assustado.

Voltei pra casa e acendi um cigarro, depois de ter me exercitado. Ela, tomando um suco depois de ter trabalhado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.