Das pessoas que a gente tem. Eu te tenho. A hora que eu chegar, eu te tenho. No café solúvel da manhã, com pão torrado no forno. Naquele cozido que tu sempre fazes, e sempre que fazes me pergunta se gosto. E eu sempre te respondo, a mesma resposta pra mesma pergunta. 
-Eu gosto! 
-Ah, quem não come é a Tati!
-A Tati também come, ela gosta do teu cozido… Tava ótimo, obrigada.

(Eu tô ouvindo a tua conversa ainda que tu digas que nunca ouço o que tu falas. Eu ouço sim. E repito pra ti,se quiseres, a história que contavas.

E a gente se desespera, falamos uma pra outra que devíamos nos acalmar, e nunca ouvimos esse conselho.)

… das pessoas que a gente tem. Tu me tens.
Eu só queria te dar parabéns, com aqueles desejos de tudo que há de bom.
 
-Que dia é hoje?
-Hoje é dia dois…
-Sim, dia dois! E o que tem no dia de hoje, hein, tia? 
-Nada, não tem nada.

Tem sim, Elisa, tem sim. Eu te amo.

(Lembro de ter chegado na tua casa pela manhã, bem cedo, e passado na padaria, levei pão, beijei tua testa. A gente não tem hora.)

Like what you read? Give Aline Lopes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.