Finais são difíceis.
Um tropeço, uma esquina errada, um corte de cabelo novo, um esbarrão ou um "bom dia" podem fazer um bom começo, mas os finais, eles sempre são ruins.
É uma verdade invariável deste nosso universo que tudo tende a chegar ao fim, seja aquela amizade, aquele vizinho ou aquele amor.
Até mesmo nossa familia, nossos bichos de estimação e nós mesmos, nada dura para sempre.
É uma invariável séria e importante de nossas vidas que por diversas vezes ignoramos ou esquecemos.
É até bom, sabe?
Esquecer de vez em quando o quão frágil somos; o quanto estamos a mercê de perigos; e que tudo pode uma hora acabar, até o que não esperávamos ou não queríamos. Esquecer têm sido ótimo.
Ainda assim, essa falsa ilusão que temos de alívio e esquecimento não dura para sempre, e sempre chega aquele "final" para nos mostrar de que o buraco acaba mesmo sendo mais embaixo.
Em qualquer final acabamos pensando diversas coisas, inclusive nos passa mil e uma vezes pela cabeça o que aconteceria se resolvêssemos descer nesse buraco pra ver o quão fundo é, e aproveitar e retirar algumas coisas de dentro dele.
Acho que no fim das contas o buraco nem prejudica, acho que talvez ele só incomode demais.
Bom, acho que podemos apenas concluir.
Os finais são mesmo uma droga.

-Alison Jonatan Vasconcelos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.