Naturalmente não, mas hoje em dia eu acho gozado esse negócio de saudade.
Acho que é um "sentimento-desculpa" onde arrumamos um motivo para ver a pessoa, simplesmente por não termos um motivo para ver a pessoa.
Muita gente confunde saudade com tédio ou só reflexão mesmo, refletir também dá saudade, não saudade exatamente, nostalgia.
Aquela reflexão que nos leva a bons momentos, que por sua vez, deixa aquela lombriga de leve que gostaria que aquele momento se realizasse novamente. Eu chamo isso de nostalgia.
Acho que a saudade deva ser um sentimento um pouco mais nobre.
Nada daquele "to com saudade" ou "que falta sua", acho que o negócio da saudade seja a desculpa para nos vermos.
Seja aqueles:
-"Não aguentei e vim te ver!"
-"Se a chuva fosse boa, traria você com ela, como não trouxe. Vim buscar pessoalmente!"
-"Estava passando ali pela sala e vi um lugar faltando no sofá, imediatamente vim te buscar para preencher!"
Saudade deve ser isso, aquele motivo bobo pra se ver!
Aquela força que só te impulsiona, sem te contrair e nem te hesitar.
Ou talvez não.
Agora é bem simples dissertar sobre saudade.
Mas verdade seja dita, no momento em que seu tato pede para sentir aquela pessoa;
Seu olfato pede para sentir aquele cheiro;
Seu paladar pede para sentir aquele gosto;
Seus olhos pedem para ver aquela pessoa;
E seus ouvidos pedem para ouvir aquela voz.
Bem, nesse momento, é difícil falar de saudade.

-Alison Jonatan Vasconcelos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.