A.Propósito, 01 ano.

O primeiro ciclo se completa com 01 ano de Agência Propósito, o que nos motiva a parar, respirar e fazer uma auto avaliação do que nos fez abrir a empresa e o que nos inspira a continuar.

No dia zero da agência, a única certeza que tivemos é que o nome escolhido não foi (nem poderia ser) à toa, e deveríamos ser fiéis a ele como nosso propósito de posicionamento em negócios e, mais do que isso, de estilo de vida. Seguir em frente nisso, seria colocar em prática o que acreditamos, pois não faria nenhum sentido seguir com os mesmos questionamentos de sempre.

Eu e meu sócio somos de planejamento, e passamos a nossa vida profissional nesse ciclo eterno de (re)pensar posicionamentos e ideias para clientes de diferentes áreas e capacidades de investimento, sem perder de vista que planejamento bom é aquele que não aponta a solução, mas sim um caminho mais assertivo, possível de ser executado, mas sempre aberto a mudanças.
A Propósito nasceu com a proposta de ser enxuta, com sua base forte em ser criativa mas com pensamentos estruturados em dados e percepção humana do que há ao redor, ao mesmo tempo sem saber no que isso ia dar, e aberta a se relacionar com quem acredita nisso.
Pq viver sendo direcionado pelo mercado e pela fórmula de crescimento profissional que a vida nos impõe? Esse modelo de sucesso, no fim das contas, é o que sempre me assustou. E digo “assustou” sem medo pois ao mesmo tempo que vi os caminhos se abrirem no mercado, vi também muitas pessoas que eram (e muitas ainda são) minhas referências recebendo a conta: problemas de saúde, relacionamento e muitos questionamentos sobre continuar no mercado. Pq será que na média, publicitário quer deixar de ser publicitário? WTF?
A Propósito deveria nascer aberta a testar modelos diferentes nas relações de trabalho, aprender muito, e encontrar seu caminho com base nesse ideal, afinal trabalhamos para viver e não o contrário.
“Trabalhar” 08 horas (no mínimo) por dia, quase tendo que bater ponto como é em um sistema industrial sendo que nosso negócio é baseado em ideias e criatividade nunca me fez tanto sentido. Estamos na era da informação e da colaboração, do estar em rede.
A Propósito não poderia focar em maior lucro, mas sim no lucro justo e na base da economia colaborativa, a atuação em rede, para entregar o maior valor a quem acreditar em nós e fazer prevalecer o ganha-ganha para nós, nossos clientes e nossos parceiros.
Falei aqui que trabalhamos para viver, e muitas vezes surgiram convites e trabalhos que foi preciso fazer ou considerar atuar em algo que não é minha especialidade, ou mais do que isso, do que me propus a fazer na vida. A paixão por planejar (a.k.a. me concentrar em prol de inovar, recriar, pensar o futuro e/ou simplesmente fritar a mente usando a criatividade) deveria prevalecer frente a, por exemplo, ser um executivo de agência como já me foi colocado à mesa. (Aqui sem desmerecer, só não é a minha, e ainda bem que existem pessoas no mundo assim. Amo-os).
A Propósito deveria aproveitar o melhor de cada um que passasse por aqui, sem encaixar as pessoas em caixinhas ou cargos pré-definidos.

Hoje, olhando pro que aconteceu até aqui, vejo que estamos fiéis ao nosso propósito.

Hoje, olhando pro presente, fico feliz de ver que naturalmente nosso “campo magnético” tem atraído pessoas (marcas) que acreditam no nosso propósito. É um prazer trabalhar com ONG’s como o Instituto Devir e o ECAM, com uma rede de educação que se propõe junto conosco a mudar a vida das pessoas como o ALUB, com uma empresa que é colaborativa desde sempre como a COOPERFORTE e o +55LAB, com um veículo que conta histórias tão bem e de forma tão isenta como a VICE, como um restaurante que valoriza tanto seu time quanto o INVERSO, além de outros trabalhos que estamos iniciando a relação agora e conto pra vocês em breve.

Hoje, olhando pra frente, me empolgo por ver que aprendemos muito e começamos a ver que podemos ser ao mesmo tempo:

  • Uma agência que pensa o negócio dos nossos clientes e não somente comunicação;
  • Uma agência bureau de planejamento;
  • E cada vez mais uma agência de conteúdo que, por ser enxuta e em rede, e querer ser assim sempre, me permite viver com qualidade de vida.

Valeu demais a ligação de 01 ano atrás e vamos juntos Luiz!
 
Obs: Vale a citação especial ao Felipão, que passou comigo pelo processo de ver a impossibilidade de seguir a empreitada do Aleatório Galeria Bar com o propósito cultural que tinha (falo mais sobre isso um dia), e relembrar a importância especial de se agarrar a isso e me inspirar para essa fase.