Cada nome importa

Tentando ser um médico mais humano no trabalho, venho anotando a cada dia o nome dos profissionais com quem interajo.

Parece coisa pouca, mas o nome importa. Desafiei-me a aprender o nome de cada um. João, Maria, José. Se eu preciso de você, pelo nome deverei lhe chamar. Joaquim, Da Silva, Simão. Se eu não preciso, que importa?! Um nome ainda terá, e uma história, mais o nome!

Algumas pessoas se assustam por eu perguntar seus nomes. Faz um ano que estou neste trabalho, vim ter essa ideia só por agora. É que me dei conta que se eu eu ficasse mais tempo ali, chegando como quem bate ponto, uniformizando-me como quem vai a caça, atendendo com toda a técnica, em pouco tempo seria máquina. Em vez de água, teria de beber óleo.

Os pacientes vão e vêm. Impossível lembrar-me de todos. O rosto de quando em vez se tornam conhecidos, hiperutilizadores do sistema. Mas, os outros profissionais, por Deus!, estão quase todos os dias comigo, salvo as trocas de escala.

"Qual o seu nome?"

Tentarei fazer por aqui relatos breves sobre essa minha pequena aventura médica cotidiana.