Ferramentas digitais auxiliam no aprendizado de idiomas

Nova forma de ensino pode revolucionar o modelo tradicional de cursinhos

Por Allan Rabelo e Larissa Guedes

Com o surgimento da internet, muitas atividades do dia a dia se tornaram mais práticas e rápidas. O que antes demandava tempo ou esforço, hoje pode ser feito apenas com um clique, como pagar uma fatura, fazer compras ou até aprender um novo idioma. O desenvolvimento da internet ganha destaque devido, entre outras razões, à velocidade, à acessibilidade e ao conforto oferecidos aos seus usuários.

Uma das características observadas atualmente e cada vez mais crescente é o uso de gadgets e aplicativos, como o YouTube e o Duolingo, na aprendizagem de novas línguas. Muitos professores utilizam dessa plataforma online para introduzir os alunos em um idioma ou então como uma maneira de complementar os estudos. Do inglês ao francês, do alemão ao italiano, as pessoas desenvolvem sua fluência e escrita por meio de serviços virtuais.

Mairo Vergara é professor e especialista em ensino e aprendizado de línguas estrangeiras em plataformas online e conta que aprendeu a falar inglês sozinho através de videogame, por conta do acúmulo de vocabulário. Ele já deu aula em escolas de idiomas, mas hoje em dia o formato digital é seu campo de trabalho. Mairo acredita que os aplicativos de idiomas para smartphone, como o Duolingo, são eficazes no sentido de incentivo ao usuário.

“Esses aplicativos tem uma contribuição enorme que é motivar o aluno a praticar a língua todo santo dia e isso pra mim, como professor, é muito difícil: fazer com que meus alunos tenham disciplina e criem uma rotina de estudo”, conta o especialista.

Entretanto, no sentido de eficiência quanto à prática e ao domínio, Mairo enxerga esse tipo de aprendizado como algo superficial porque não gera uma fluência direta no usuário na hora de utilizar o idioma em uma situação real.

Renato Alves, autor do livro “O Segredo dos Gênios”, explica que a memorização de idiomas envolve memórias de médio e longo prazo. A fluência é a memória de longa duração e a compreensão é memória operacional de médio prazo: “O cenário mais comum que encontramos são pessoas que fazem aulas duas vezes na semana, não compreendem o conteúdo e ao chegar a casa, não exercitam. Ou seja, não formam memórias de média e longa duração. O segredo para o aprendizado de idiomas está no saber fazer uma revisão correta do conteúdo, com aplicação das estratégias de memorização.”

Caroline Fernandes é estudante de Relações Internacionais e professora de inglês, a jovem conta que sempre conversa com seus alunos a respeito do uso de serviços digitais para aprimorar o conhecimento do idioma.

“Na minha visão, hoje mais do que nunca devemos utilizar esta ferramenta poderosa como algo útil. Nessa era do “like” em que vivemos, de nada adianta compartilhar sem pesquisar. Compartilhar e não ter embasamento. Compartilhar, deixando que uma terceira pessoa defina nossas opiniões”, diz ela.

A estudante também menciona a questão de ser graduanda de uma área que exige pelo menos dois idiomas além do nativo, por isso ela começou a estudar alemão e viu a necessidade de utilizar algum tipo de auxílio virtual.

“Estudei alemão por dois anos, parei e pretendo voltar esse semestre. No momento venho praticando pelo aplicativo “Duolingo”. É super prático, me permite estipular um limite diário de aprendizado e ajuda a me manter em contato com o idioma de maneira muito leve e divertida. Além de ser uma distração quando vou trabalhar, já que também utilizo quando estou no trânsito”, explica Caroline.

O fundador da plataforma online “LingQ”, Steve Kauffman, é um americano fluente em 10 idiomas que aprendeu com esse método que explica em seu site e canal do YouTube.

Steve acha para aprender e se focalizar em um idioma, é preciso buscar dentro deste um conteúdo que o aluno realmente goste.

“Se você tem uma ligação emocional com o conteúdo, você internaliza o vocabulário e a língua em si e pode aprender melhor e mais rapidamente. Se você não gosta do conteúdo, vai desistir da língua. Aprendizado é uma coisa não só racional, mas também emocional”, afirma o americano.

Caso você tenha interesse em acessar as plataformas citadas ao longo do texto, disponibilizamos alguns links de acesso.

https://www.lingq.com/

https://www.youtube.com/user/lingosteve

https://www.youtube.com/user/MairoVergara

http://www.humanoeditora.com.br/o-segredo-dos-genios-p52

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.