De Alley por Alley: não só a Alma é cinza

Atrasado, como sempre. Pra quem não conhece meu jeito de descrever as coisas, saiba que eu sou muito simplista e adoro que tudo seja dito de forma clara pra todos entenderem, mas tem coisas que demandam tempo e experiência pra serem compreendidas e absorvidas. Não é um texto de poucas linhas que te convence a acreditar que não tenho esse apetite que toda a sociedade afirma que tem. Apetite sexual. Calma lá, assexualidade não é tão simples quanto parece.

De forma simples, assexual não sente atração sexual como o restante das pessoas. Ele sente prazer de outras formas, oras. Eu adoro pegar chuva, adoro tomar um café no final da tarde e te garanto que isso me dá muito mais prazer do que uma transa na cama.

Ah, assexual não é sinônimo de nojo ou aversão a sexo, tá? Não é porque sou assexual que eu sou proibido a transar. As vezes por pura vontade de dar prazer a alguém que eu tenho um sentimento acabo cedendo um pouco de mim. E sexo dá prazer, não nego. Muito prazer. Mas é algo que não sinto como necessário. Aliás, eu só faço por puro passatempo. Poderia trocar sexo por uma boa e gelada salada de frutas que estaria tão bem quanto.

É ruim você generalizar as pessoas não sexuais baseado na minha experiência, tá? Ela é pessoal e cada pessoa tem a sua vivência!

De quebra em quebra de raciocínio no texto, no final tudo se completa: assexual não sente lá essas vontades de transar. Talvez apareça uma vez ou outra, bem rapidinho, mas é algo tão pontual e tão raro que a gente nem conta. Em geral, assexual gosta mesmo é de sentar e comer um pedaço de bolo com recheio de chocolate. Hmmmm, chega deu fome!

Então, agora com tudo o que foi apresentado, você sabe dizer a diferença, para um assexual, entre um ser humano e uma fatia de bolo?

(Alley, para Non Sex Project)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.