SOU HOMEM, PORRA!

Era numa quarta-feira depois das 17h, depois de um dia cheio, depois de ouvir um monte de reunião chata de chefe burro que não sabe o que está fazendo, mesmo assim ele tinha que participar, estava muito puto, não por causa de tudo isso, e sim porque acabara de ser lançado no Brasil o Pokémon Go.

- Puta que paril! Olha só esse joguinho de criança, só retardado mesmo pra jogar essa merda! — Esbravejou sozinho no seu apartamento de 32m² no centro da cidade.

Passado algumas horas, sua timeline no Facebook, estava lotada de publicação de seus próprios amigos, que estavam jogando e se divertindo com a nova mania.

- Mano do céu, como tem gente idiota nesse mundo — nesse instante abriu o Whatsapp.

Viu uma foto de uma mulher se pegando com outro cara, e o cafajeste perguntando pra mulher, onde estava o namorado dela e a moça do tal meme, respondia que estava ‘caçando Pokémon’, óbvio que era uma desculpa aceitável para traição, como se não houvesse milhares de outras oportunidades… Mas ele ao ver essa imagem gargalhou alto no seu quarto.

Num outro grupo, enviaram um áudio, e nesse, ele particularmente gostou muito.

O áudio era sobre outro cara igualmente inconformado desabafando desesperadamente em repúdio eterno sobre esse tal joguinho de criança.

O áudio seguia então, dando dicas de como um cara realmente deveria se comportar, e o que deveria almejar em sua vida como:

Um pênis maior, ao invés de correr atrás de bonequinhos, o homem deveria correr atrás de buceta e continuava declamando que a geração atual é formada de boiolas, porque simplesmente jogam esses joguinhos, mas ele afirma no áudio não ser homofóbico.

Talvez fosse só uma incompreensão do autor do áudio, de não ter uma rola monstruosa e que para amenizar sua dor e incompreensão do mundo buscando aceitação do meio dos verdadeiros homens, ele gasta, toda sexta e sábado seu irrisório salário mínimo em bebidas e mulheres.

- Esse sim é homem, um dos poucos guerreiros dessa sociedade frágil! — Pensou confiante.

Após ouvir essa obra-prima, ele compartilhou a imagem e o áudio num outro grupo de amigos, por que seu maior crime contra a masculinidade, foi dizer que jogavam o tal do jogo maldito.

- Aê seus merda, boiolinhas, ouve aê esse áudio, e vê se aprende a ser homem, porra!

É compreensível que para ser homem, devemos constantemente reafirmar isso a cada minuto, afinal… SOU HOMEM PORRA!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alonso Correa Junior’s story.