A ficção e os clichês nossos de cada dia
Fábio Kabral
752

Boa tarde Fábio, pertinente e “ácida” sua reflexão…bem vindo ao Clube.

Acreditamos por estarmos em início de aprendizado de tudo isso que está posto como regra, cometemos alguns deslizes (Negros) por falta de prática e apropriação de outros conheceres, saberes e fazeres embarcamos e atiramos para todos os lados talvez em busca de um “provável norte” precisamos de muito mais tempo nos bancos escolares para nos apropriarmos do conhecimento sistematizado para produção e ordenação de pensamento de “outro quilate” as pontas ainda estão soltas, ao menos aqui em SP Pólo Norte os trabalhos fluem muito antes de ações afirmativas, Lei 10 mil e alguma coisa, “nosso caso” com os Adolescentes do bairro foi completamente oposta a tudo o que se ensina (de cima para baixo), ELES sabiam que nós sabíamos algo, nos intimaram e quando iniciamos trabalhos percebemos que o cérebro contactado era outro (lia e agia de outra forma), tivemos que votar à Academia em busca de atualização com “apreensão” de outros novos conceitos que permeavam esse novo Mundo Líquido com cérebro construído agora, dentro do Cyber Space, eramos Dinossauros perdidos com um monte de Gênios adolescentes ativos física e mentalmente questionando, criando e trocando arquivos todos os Sábados no Colégio…PUNK a cena, hoje somos, nós, (semi novos) e Eles (jovens senhores) grandes amigos nutrindo mundo com nossos conhecimentos, agora bons profissionais e produzindo PIB para que o Pólo Norte Paulistano fique cada dia melhor para nossas gerações vindouras…hoje filhos Deles.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.