Star Trek: Além da Escuridão

Crítica

O nosso amigo NERD J.J. Abrams repete a dose de sucesso de Star Trek (2009) nesse novo longa da franquia “Jornada nas estrelas”, STAR TREK — ALÉM DA ESCURIDÃO. Temos que ovacionar a figura do diretor, pois é difícil para o mesmo a façanha de tirar uma série, já esquecida por muitos e transformar em um fenômeno Geek de grandes proporções. 
 Neste novo filme de J.J. Abrams (Também diretor da série mais NERD de todos os tempos — STAR WARS) a tripulação da nave Enterprise é enviada para um planeta primitivo, que está prestes a ser destruído devido à erupção de um vulcão. Spock (Zachary Quinto) é enviado para dentro do vulcão, onde deve deixar um dispositivo que irá congelar a lava incandescente. Entretanto, problemas inesperados fazem com que ele fique preso dentro do vulcão, sem ter como sair. Para salvá-lo, James T. Kirk (Chris Pine) ordena que a Enterprise saia de seu esconderijo no fundo do mar, o que faz com que a nave seja vista pelos seres primatas que habitam o planeta. Esta é uma grave violação das regras da Frota Estelar, o que faz com que Kirk perca o comando da nave para o capitão Pike (Bruce Greenwood). A situação muda por completo quando John Harrison (Benedict Cumberbatch), um renegado da Frota Estelar, coordena um ataque a uma biblioteca pública, que oculta uma importante base da organização. Não demora muito para que Kirk seja reconduzido ao posto de capitão da Enterprise e enviado para capturar Harrison em um planetóide dentro do império klingon, que está à beira de uma guerra com a Federação.
 O que mais me chamou a atenção foi a ideia brilhante da construção do vilão John Harrison (Benedict Cumberbatch), por um momento acreditei ser mais um “MANDARIM” de Shane Black, porém sabia que J.J.Abrams não faria isso com os fãs da série, muito menos brincar com a inteligência dos mesmos. Como todo Nerd, gostei bastante deste novo filme, cheio de ação, roteiro muito bem amarrado, produção fantástica e trilha sonora animal. RECOMENDO MUITO, O FILME É FANTÁSTICO!

ÓTIMO!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.