O mundo precisa saber de você

Esse texto é sobre protagonismo pessoal, uma parada que comecei a pensar seriamente ao perceber que contava demais histórias dos outros mas nunca as minhas próprias, esse texto também é sobre se expor, algo que exige muita coragem, e que traz muitos benefícios.

Eu não sou do time do “good vibrations”, apesar de querer deixar para o mundo um legado de bondade e uma esperança possível, eu não sou positivo. “Ok, e daí?” Eu acho que antes de falar sobre protagonismo pessoal eu tenho que falar sobre formação e identidade, dois temas espinhosos.

Ser notado e reconhecido é um necessidade humana real, quem não quer? a merda é que em algum ponto da vida algo, enquanto você está sendo formado, algo ou alguém te diz diretamente ou indiretamente que você é um li-xo, e isso bagunça a tua cabeça, compõem de alguma forma a sua identidade e você passa a se esconder. A formação natural e saudável de qualquer ser humano deveria passar por um caminho de afirmação, a nossa dignidade nunca deveria ser determinada pela coisas que nós fazemos ou não, mas sim pelo simples fato de sermos. Não é o que acontece, e aqui, infelizmente, você vai ter que lidar com um merdeiro existencial básico. Foi assim comigo, talvez tenha sido com você.

Aqui a gente tem um dilema: uma necessidade de ser percebido em contraposição a insegurança de uma identidade construída erroneamente. Eu e você estamos no meio desse tiroteio.

Um insight útil: Em virtude desse lance você pode se tornar uma pessoa bem suscetível a relações de uso. A química do mal aqui é a seguinte: um fulano (chefe, crush, amigo, amiga, etc.) quer algo de ti, ele vai te afirmar e suprir a sua carência de reconhecimento e você, naturalmente, vai se render, quem não se renderia? A parada é que te reconhecer é apenas o veículo que essa pessoa tem para ter de ti o que ela quer ter. Seja o seu afeto ou o seu tempo, você vai ceder, e não é porque você é burro/ burra, é porque você tem uma carência real, tome cuidado.

A partir de agora eu vou tentar desenhar as alternativas que tem me ajudado a superar essa parada.

Perdoar as pessoas que te ferraram. 
É isso, eu não vou entrar muito no mérito, talvez tenham te ferrado muito, mas se você não perdoar o tempo vai te mostrar que o único prisioneiro disso tudo é você, perdoar no fim das contas é liberar a si mesmo, a vida vai te ensinar que ela é curta demais para sentir amargura.

Coragem para se reconhecer
Mas é se reconhecer mesmo. Sabe esse papo de “só sei dar presente, não sei receber”? Então, parece virtuoso, mas não é, você não se reconhece digno de um presente e fala isso, “não sei receber elogio” também é um frase que soa legal mas que é errada, não tem a ver com humildade, tem a ver com medo de se assumir. VOCÊ É DIGNO, VOCÊ É INCRÍVEL, VOCÊ É MERECEDOR. Você é, lide com esse fato. Todas essas coisas tem relação apenas com o fato de que você é alguém, é intrínseco a ti, cuzões te falaram que não mas eles estavam mentindo. Quando falarem “noça, você é demais!” “ah fulanilda, obrigado, eu sou mesmo”. Ta bom? fala assim, ta tudo certo.

Chore sua tristeza, comemore seu trunfo, compartilhe tanto um quanto outro.
Não passe por cima do que deu errado, se permita chorar, em alguns momentos essa vai ser a única coisa possível, em alguns momentos chorar vai ser seu descanso. E quando você conquistar algo comemore, comemore seu aniversário, comemore tudo que merece ser comemorado, é um maneira de reconhecer tudo que aquilo te custou. E o aspecto do compartilhamento é importante, eu penso o ser humano como uma ovelha, uma ovelha se você deixar ela sozinha ela morre, é vital para ela companhia, seja em dias de calor ou em dias de frio, se ela ficar sozinha ela vai morrer, ainda que ela tenha muita comida e o clima esteja excelente.

Protagonismo pessoal.
Pra mim protagonismo pessoal tem a ver com autenticidade, liberdade, decisões autônomas e totalmente alinhadas com quem você é, é como ter as rédeas da própria vida na sua mão, sem intervenções, reputação, nada disso. Eu não vou entrar no mérito de que isso não significa que você pode viver de qualquer jeito, isso é irresponsabilidade, quem é livre trilha um caminho de completa satisfação entendendo que liberdade ta lado a lado com a disciplina e o compromisso de se descobrir e se conhecer o tempo todo, e pra mim você só começa a viver essas coisas quando perdoar, se reconhecer e compartilhar sua vida, por isso falei sobre elas antes, é como uma corrente.

Se exponha. Por favor, se mostre! Depois dessa jornada de enfrentamento e auto-conhecimento mostre ao mundo o resultado. Não sei quanto a ti, mas me impressiona o fato de que cada ser humano é único, diante disso não tem quem me tire a ideia de que existe um Deus infinito e pessoal, e eu creio que cada um foi feito para refletir um aspecto desse Deus, toda vez que você suprime a você mesmo, se esconde, você esconde do mundo algo que só você tem, talvez todas as coisas que você tenha vivido possam servir para reforçar esse lance que é só seu. Se você tem vergonha de rir porque a sua risada é estranha, é justo essa a graça, se você tem a risada estranha e rir vai ser ainda mais engraçado e você vai rir ainda mais, se você fala muito, fale, para todo maluco que fala muito tem um que fala pouco, na medida que a gente se expõe a gente vai se percebendo em relação as outras pessoas e entendendo que nossas diferenças não nos separam e sim geram complementariedade, a gente se complementa e começa a pertencer a algo maior que a gente, o mundo.

Que tudo isso te encoraje de alguma forma. Muita fé.
Beijo no coração. ❤