Domingos não são ruins, sua vida que é

Link: https://pixabay.com/p-20242/?no_redirect

Quando chega o domingo, na fatídica tarde, quando começam os programas televisivos que parecem nos tragar a vida, que bebem nosso entusiasmo, esvaziando-nos de significado, é o momento ideal para se repensar a vida.

Sim, é no domingo, no final do dia, quase início de mais uma semana laboral, que as maiores reflexões existenciais devem ser realizadas. É nesse momento extremamente melancólico, de questionamentos sobre erros e acertos de minhas atitudes, que devo pensar sobre meu eu e meu cotidiano de atividades.

O domingo traz a tona aquilo que minha vida me mostra que está errado. A tristeza que sinto por mais uma semana que se inicia é a tristeza que sinto por estar vivendo a vida que estou vivendo. É essa vida, o que estou fazendo dela, minhas ações e pensamentos sobre e para ela, que tornam o domingo o dia ideal para o suicídio ou para a reflexão sobre o que e como mudar.

De qualquer maneira, a vida passará, seguirá em frente, novos domingos virão, acompanhados das segundas-feiras, e caberá a você decidir passar 24 horas maçantes ou torná-las boas de se viver. A vida não reconhece os domingos e muito menos as segundas-feiras. Ela passa, ela vive, ela pulsa.

Diga-se do domingo o que disser, ele é o responsável pela crise existencial que nos assola, às vezes, e que pode ser uma oportunidade de pensar, refletir. A segunda-feira, sequência do domingo, é criticada e quase excomungada por seu peso, por baixar ombros que dizem-se fortes, por destruir expectativas até dos mais otimistas. Por qual motivo, já sabemos: o domingo, este que nos avisa, semanalmente, sobre nossa existência, já havia mandado o recado: mude, porque outros como eu virão e serão piores.

Pare, um dia qualquer, mas principalmente no próximo domingo, e pense sobre isso. Não é o dia que está lhe matando de tédio, é a vida que você está levando; o trabalho que está desempenhando; as companhias com quem está passando seu tempo; os lugares que está frequentando; o curso que está estudando. Pare, no domingo, e pense sobre você inserido nele e na segunda-feira que virá. Faça as perguntas: “quero viver essa segunda-feira, fazendo o que estou fazendo, e viver muitas outras da mesma maneira?” e “o que está faltando em minha vida para que esse domingo não seja o portador de meu tédio?”.

Não posso garantir um total sucesso, já que sua vida é de responsabilidade sua, obviamente, e cabe a você pensar sobre ela e verificar os pontos que lhe desagradam e aqueles que lhe fazem bem. Porém, posso garantir duas coisas: os domingos, se bem vividos, assim como as segundas-feiras, serão “apenas mais um dia” na sequência de dias bons que estarão por vir, se sua vida for boa, claro; e sua vida passará, independentemente se seus domingos são tediosos ou não, portanto, é melhor que sejam agradáveis e lhe passem a sensação de ser mais um dia como outro dia bom qualquer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.