Ela é essa profusão de sentimentos que carece de meio-termos. Não suporta a dor desmedida, sequer aguenta a calmaria anestésica de falta de intensidade. Ela gosta do prazer. Prazer em viver, em querer, em ser. Não é de seu costume ansiar pelo inesperado, nem mesmo se mantém calma diante do que espera que aconteça. Sua vida é um mar de atividades bem distribuídas. Mal consegue ficar parada, com a energia que em si habita. O que quer? Tente e descubra, só não esqueça que só a merece quem tenta pra valer.