desabafo sobre o timing da pesquisa e a rapidez das transformações das plataformas

Se vocês conhecem um pouco do meu percurso, sabem que estudo as plataformas de mídias digitais — especificamente o Facebook — há pelo menos seis anos. E eu experienciei diretamente o quão inconstantes e voláteis elas podem ser.

Ao longo desses anos, várias vezes me vi confrontada com mudanças extremas na relação usuários — comunicação — plataformas. Mudanças sobre as quais eu queria falar, queria escrever, mas me sentia atropelada pelos acontecimentos. Precisava do tempo necessário para trabalhar as ideias, mas me sentia angustiada ao ver as mudanças sendo lançadas uma atrás da outra.

E desde 2014, quando comecei minha…

As plataformas digitais e o corona vírus

a responsabilidade social colocada em pauta

Empresas são parte da vida social das comunidades que compõem. São compostas por pessoas, influenciam e são influenciadas pelas comunidades onde estão inseridas. E isso não é diferente ao pensarmos nas plataformas digitais, como o Facebook por exemplo.

Pode ser mais difícil associar a ideia das plataformas enquanto “empresas”, dada sua virtualidade e a quantidade de serviços feitos “à distância” ou conteúdos “disponíveis nas nuvens”. …

Image for post
Image for post
Imagem: Intercept

Sabe o susto em abrir o celular e receber uma propaganda falando exatamente do assunto sobre o qual você conversou com alguém?

Se você nunca esteve nessa situação, pelo menos já ouviu alguém contar que passou por isso. Não é mesmo?

“_ Eu estava contando para um amigo sobre a vez que visitei o famoso sofá de Friends, em Los Angeles. Ao abrir o app do Facebook no celular, ele recebeu uma propaganda da série Friends sem nada ter sido digitado, apenas falado entre nós”;

“_ Fui com alguns amigos em um evento degustar uma bebida e, não tendo cadastrado…

This week, users found several photos of women breastfeeding on social networks. The reason for the increased sharing of these kind of images is due to the “World Breastfeeding Week”.

If you haven’t noticed the presence of these images, just look up some of the hashtags used to organize the content — such as # WBW17, #breastfeeding, #WorldBreastfeedingWeek — and you will find images like these on FIGURE 1.

Image for post
Image for post
FIGURE 1: Images available as “Public” on Facebook. Source: Facebook.

Held between August 1th and 7th, it is an movement that seeks to raise public awareness about the various benefits of breastfeeding. The action is coordinated by the World Alliance for…

Nos últimos dias, os usuários puderam ver várias fotos de mulheres amamentando seus filhos nas mais diversas redes sociais online. O motivo do aumento de compartilhamento dessas imagens se deve à “World Breastfeeding Week”, ou “Semana Mundial do Aleitamento Materno” em português.

Caso não tenha notado a presença dessas imagens, basta procurar por algumas das hashtags usadas para organizar o conteúdo — tais como #WBW17, #breastfeeding, #WorldBreastfeedingWeek — para encontrar imagens como essas da FIGURA 1.

Image for post
Image for post
FIGURA 1: Imagens disponibilizadas como “Públicas” no Facebook. Fonte: Facebook.

Celebrada entre os dias 1 e 7 de agosto, trata-se de uma iniciativa que busca conscientizar a população sobre os vários benefícios do aleitamento…

Originalmente publicado no site Minas Marca, em 12/07/2016:

Link original: http://www.minasmarca.com/plus/modulos/noticias/ler.php?cdnoticia=21289#.WX9tkNPyvJw

Acessar o Facebook diariamente faz parte da rotina 70 milhões de brasileiros e de mais de um bilhão de pessoas ao redor do mundo. Estamos falando de um número impressionante de usuários que são influenciados e influenciam seus “amigos” a partir das publicações feitas nesse ambiente. Os posts no Facebook e, principalmente, o que conhecemos como o Feed de Notícias (FN), ou timeline, como também é conhecido, desempenham papel central na construção de sentidos no dia a dia das pessoas. …

trabalho escrito e realizado por Ariane Lenoir, Bruna Bernardi, Fabrício Freitas, Kamila Dantas, Leila Vieira e Marinha Luiza**

Alisamento: um processo de aceitação em outro universo

Meados de 1930, sábado à tarde. Ana tem um compromisso à noite e está arrumando os cabelos com um cabelisador. Parente distante da famosa chapinha, o aparelho era uma haste de metal, aquecida em brasa ou mesmo no fogão, aplicado quente nos cabelos. Ainda sem técnicas químicas de alisamento, esse foi um dos primeiros métodos para as mulheres mudarem a estrutura capilar e fugirem das ondinhas.

Na década de 1950, os produtos químicos começaram a “fazer a cabeça” das mulheres. Com o…

PAPERS CIENTÍFICOS SÃO QUASE IMPOSSÍVEIS DE LER POR PESSOAS QUE NÃO FAZEM PARTE DAQUELA ÁREA DO CONHECIMENTO. MAS POR QUÊ?

texto originalmente publicado no site do Minas Faz Ciência.

De acordo com Bruno Latour (2000), estudioso francês dos procedimentos científicos, a ciência “é planejada para alijar logo de cara a maioria das pessoas” (pg 88). Para o autor, com linguagem rebuscada e uso de diversas referências, os pesquisadores evitariam que sua pesquisa fosse contestada. Mas há uma resposta bem mais simples e menos cética.

Um das explicações para a dificuldade encontrada na leitura é de que os trabalhos acadêmicos não são escritos para o público, mas para seus pares. Geralmente, o espaço para esses textos é pré-determinado e o pesquisador…

Porque pode ser muito legal e divertido também.

Texto completo e originalmente publicado aqui, no site do Minas Faz Ciência

EU, PARTICIPAR DE UM PROJETO DE PESQUISA?

Ao entrar na faculdade os alunos muitas vezes se deparam com opções de estágio em “Projeto de Pesquisa”, “Projeto de Extensão”, “Bolsa de Iniciação Científica” sem saber exatamente o que isso significa. Por serem associados ao fazer científico, parecem ser trabalhos difíceis, maçantes e nem um pouco divertidos.

Mas o que nós viemos falar pra vocês hoje é que sim, participar de Projetos de Pesquisa, seja como bolsista de Iniciação Científica ou Pesquisador, pode ser muito divertido e instigante. Fazer ciência não é só estar em laboratórios brancos…

Antes de ler esse texto, é importante deixar claro que não se trata de uma publicação vinculada a nenhuma Instituição de Ensino ou que tente passar a ideia de um processo “engessado”. É um texto pessoal, baseado inteiramente na minha experiência pessoal e não deve ser tomado como diretriz para participar de um processo de Seleção.

Por que esse texto?

A motivação surge do número de pessoas que tem me procurado para entender um pouco mais sobre o processo de se candidatar a uma vaga de Mestrado e como fazer para participar dele. …

Amanda Chevtchouk Jurno

Doutora e Mestre em Comunicação (UFMG — Brasil). PhD and Master in Communication. Researcher interested in platforms, algorithms and technologies.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store