“Geração do desapego”

Não to dizendo que a “geração do desapego” não exista, nem negando a fase das relações liquidas, mas é que as vezes, a outra pessoa realmente não está na mesma vibe que você.

Sentimento é uma coisa muito difícil de controlar. Seria ótimo se todo mundo realmente conseguisse falar “nossa to me apaixonando DEIXA EU PARAR DE SENTIR ISSO AQUI E NÃO ME INTERESSAR MAIS”. Novamente, não to dizendo que essas pessoas não existam, mas pode não ser tão frequente quanto a gente fantasia.

Eu vejo pessoas falando “ai mas fulane demora pra responder de propósito, para não parecer interessado” e olha, normalmente são essas que tem esse discurso que estão fazendo isso, ou tentando (e falhando miseravelmente).

E assim ó: não estar na sua vibe pode ter a ver com muita coisa que não é você, não adianta também ficar se achando a pior pessoa do planeta. Pode ser que a pessoa esteja interessada em outra pessoa, pode ser que a pessoa demore pra sentir algo por alguém, pode ser que a pessoa simplesmente não esteja bem ou uma série de coisas que são do mundo dela.

E é importante pra gente entender e respeitar esse mundo. Aquele beijo sensacional que despertou trezentas coisas na gente, pode não ter tido o mesmo efeito em outra pessoa. E tudo bem, né?

Não adianta sair ficando puto com as pessoas, sem parar pra pensar que há um outro além dos nossos desejos. E se possível, dialogar sobre isso com essa pessoa é uma boa maneira de se lidar com essas questões e entende-las melhor.

O problema, ao meu ver, da “geração do desapego”, é um temor do diálogo para esclarecer as coisas. É mais fácil sumir, bloquear, ignorar do que conversar. Em ambos os lados da história. E isso tem a ver com responsabilidade afetiva, questão que merece um textão por si só.

Culpar “a geração do desapego” por todo lancinho que não dá certo é um sintoma dessa mesma geração aí. Um narcisismo que impede a gente de enxergar que há uma outra pessoa, que assim como a gente, passa por turbilhões diários. Uma outra pessoa digna de compreensão e respeito.

Like what you read? Give Flor que não se cheira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.