Com Ele Ninguém Pode

Crescer, completar maior idade e se tornar adulto, tantos jovens de 15 ou menos sonham com isso. Mas crescer significa ter mais responsabilidades e junto com isso encarar problemas de adultos, o que eu acredito que pra mim hoje seja apenas problemas.

Muitas famílias hoje não são compostas mais por pai, mãe e filhos e sim por pai, madrasta, enteados e filhos ou vice e versa a família século XXI, pois é esse modelo em que eu e muitos outros jovens nos encontramos, no meu caso juro que tento manter a compostura, mas neste final de semana não foi possível, todas as famílias tem problemas, não existe família perfeita.

Como uma jovem adulta eu ainda dependo do meu pai para me manter, mesmo antes quando tinha um trabalho fixo, o difícil é enfiar essa informação na cabeça dele, juro que tento fazer isso por bem até porque já tenho problemas demais podem acreditar. Algumas pessoas como meu pai possuem um apego muito grande pelo dinheiro, uma grande pena talvez seja por isso que o país não vá pra frente as pessoas colocam o dinheiro em primeiro lugar na vida.

Nestes quase 19 anos descobri que o mundo é mais cruel do que eu imaginava, o mercado de trabalho é um verdadeiro ninho de cobras onde você jovem e funcionário novo deve ficar calado e nunca discordar de opiniões precipitadas de funcionários com mais anos de “empresa” ou simplesmente você está fora, pois não está nos padrões da empresa, resumindo engula sapos ou ficará na fila do desemprego.

Minha mãe sempre me dizia “quem pode mais chora menos” e está frase se encaixa perfeitamente com a faculdade, onde universitárias denominadas como puxa saco por outros colegas possuem vantagens por agradarem alguns professores de uma maneira “especial” se é que me entendem, resumindo estes últimos dias não está fácil pra ninguém, nem pra você que leu isso de alguma forma e nem pra mim que estou desempregada, dependendo de um pai apegado a dinheiro casado com uma hipócrita e que ainda está desanimada com a tal da Publicidade e Propaganda.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Amanda Sugahara’s story.