A estrada

Dou a partida
E você vai ficando pequenininho, cada vez menor,
Até sumir do meu retrovisor
E esse foi o adeus
Do tão breve tempo que pudemos chamar de nosso
Nas curvas, logo à frente,
Lembranças me espreitam
E algumas pedem carona
Tudo o que fomos — e principalmente o que não fomos
Vai passando por mim em imagens borradas pelo vento
Mistura-se à neblina no horizonte
Dando aura onírica a essa estrada, que eu tão bem achava conhecer
Não há outro caminho
Se não o de seguir em frente