selene

filhos do luar
acompanhantes do mudar
constante
seus, meus ciclos círculos
expandem cheios em anseios
meus seios
pálidos, refletem e saboreiam
a cálida luz cheia
relaxam, respiram
transpiram 
sofrem calados
minguam as mágoas
adormecem manadas
renascem, despertam
aprazeiam-me em maciez,
graça e vida
desfruto dos meus frutos
por vez,
partilho-os em sussurro
peço amor, delicadeza
pois apesar de tanta beleza
és, meu caro amado 
apenas convidado
em minha doce morada
és somente a semente
que me fará nutrir, um dia
os sedentos lábios de um filho meu
que assim como eu,
acabara de abrir os olhos