Tem dias que só amanhã.

Eu sinto muito te dizer, mas hoje não vai adiantar.

Não vai adiantar pedir que aquela nuvem escura seja apenas de passagem, só porque você não quer molhar seu tênis novo e branco. Muito menos acreditar que o percurso do trem ou o trânsito sejam mais rápidos do que o normal, só porque você está atrasado e tem uma reunião às nove.

Não vai ser hoje, desculpa.

Aquele seu professor não vai aceitar pela milésima vez um trabalho atrasado só porque agora você tem uma nova boa desculpa — a salinha de impressão da faculdade lotada, pela chuva que caiu na última semana e você não conseguiu chegar na aula, ou qualquer outra justificativa — seja ela real ou não.

Hoje uma hora não será tempo suficiente para estudar toda a matéria acumalada do semestre. Talvez nem duas.

Seu chefe hoje não será mais legal hoje porque você está de ressaca, seja física ou mental, e muito menos pelo pé na bunda que você levou ontem no meio da noite.

A vida não vai ser mais leve. A chuva não vai deixar de cair. O vento não vai ser mais ou menos forte.

O carro da frente pode frear de última hora. E não só pode, como logo hoje, vai.

E depois disso nenhum estranho gentil vai te abraçar na rua quando surgir na sua mente uma vontade incontrolável de chorar ou fugir.

Não vai adiantar chorar… espernear…

E muito menos culpar o cara que acabou de pisar no seu pé enquanto você estava no meio de uma discussão com seus pais no telefone.

Não vai adiantar ligar, falar ou dar bom dia assim que acordar. Não vai ser hoje e talvez nunca.

Hoje não vai adiantar brigar com o destino. Perda de tempo.

Agora já deu meia noite, o metrô fechou e o último ônibus acabou de sair, assim que você chegou. Eu vi ali, se você tivesse virado a esquina um pouco antes… Eu diria que sim, mas já não adianta.

Hoje eu queria que sim, mas tem dias que só amanhã.

Like what you read? Give Ana Valle a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.