Fraguimentos da mente

Pode-se dizer que você está sentada no sofá olhando pro nada, dentro de sua bolha de conforto. Tudo o que busca é o que lhe convém naquele momento, o que está perto e fácil de se realizar. A linha que guia as suas ações está ficando cada vez mais longa e estreita. Você já não busca compreender quem você é realmente e já não sabe o que é seu querer e o querer alheio. Você se vê diante de uma situação em que por mais que existam pessoas que te amem, você já é adulta o suficiente pra tomar suas próprias decisões, mas o que te impede? Zona de conforto não é tão confortável assim e o que se vê é um submundo se abrindo a sua frente. Você está cansada de ver pessoas a sua volta que só vivem pela casca, anseia pela profundidade, pela plenitude, pelo olhar no olho de verdade, por aquele ser que talvez enchergue em ti mais do que você se revela, mas principalmente anseia pela robotização de si mesma.

Like what you read? Give Ana Beatriz Figo Curvello a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.