hoje você é quem manda, falou tá falado, não tem dicussão

Eu sempre vou acordar bem disposta. Olho a pia com pratos que, se não me engano, já estavam ali ontem. Mas acordarei disposta o bastante para que não estejam ali de manhã. Aliás, de manhã em dias alternados eu caminho na avenida, sempre lembrando de alongar bem o corpo e eu juro que é por uma questão de saúde e não para fugir dessa sensação orgásmica e perigosa de estalar o pescoço. Amanhã eu juro que não estalo o pescoço.

Amanhã não haverá gordura nem glicose nem atraso. Nem aquele papel de bombom em cima do sofá de dois lugares. Não tenho dinheiro mesmo, então não vai ter coca-cola. Não vou atrasar porque vou dormir cedo, apesar de serem 23h06. Não vai ter California amanhã e o frango que está na geladeira eu vou fazer com brócolis. COM BRÓCOLIS.

Amanhã, ou melhor, a partir de hoje ainda eu não me apego a gente furada. Aí não passo tristezinha fina de saudade. Aí cresce a autoestima, o querer-me bem, o bastar-me e só. A partir de agora. Já estou há alguns minutos sem ver a tela do celular embora me dê vontade constantemente. Pra ver não sei o quê. Não sei de quem. Não sei por quê. Amanhã, quando eu acordar, nem o Facebook eu vou abrir.

Quando eu voltar do trabalho amanhã, não vou ficar com a sensação de que algo importante ficou pra trás, esquecido nos meus momentos de desfoco. Eu, mais do que nunca, espero o melhor de mim, em tudo, em todos, para todos os lados. Eu tento, juro que sim. Mais que comprovado está que eu erro em 99% da vida, mas aquele 1% é mãe de família e quer muito ser alguém na vida. Sabe, coisa que todo mundo quer e que é simples. No fundo, no fundo, pouca gente quer ser rica de verdade, milionária. A gente fala isso no perrengue, mas sabe bem como dinheiro também dói. Pra mim está de bom tamanho ter a casa sempre em dia — armário cheio, boletos pagos — e ter amigos de verdade lá dentro. Pra comer bife e comer salsicha. Pra beber 51 ou José Cuervo. Ter que comprar amor é muito triste.

Mas, olha que merda, tão pouca ambição me basta, mas nem essa pouca ambição eu sacio. Amanhã, oxalá, eu sacio.

Eu acordo sempre bem disposta no futuro. Porque amanhã é o dia pra fazer acontecer. Amanhã é o dia pra fazer a coisa certa. Amanhã pode ser a chance da minha vida. Amanhã tudo estará melhor. Amor vai chegar, a dor vai partir. Amanhã eu já estarei mais velha e sem os desejos dísnicos de uma criança. Mesmo que nada chegue. Mesmo que nada mude. Mesmo que nada nude. Mesmo que amor arrebatado amanhã cruze a esquina e passe direto, ligeiro. Amanhã também terá um amanhã. Sempre será tempo. Pra mim. Pra você. Até que se prove o contrário, o amanhã é lindo.

Like what you read? Give Ana Blue a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.