A vida que não nos pertence.

Em uma era de Facebook a privacidade saiu de moda. Atualmente, mostrar o que você está fazendo, com quem você está e quem você é, ou gostaria de ser, é o que anda em alta. As redes sociais como o Instagram apresentam milhares de fotos sobre o cotidiano de diversas pessoas, sejam elas famosas ou não, mas sempre expondo para uma quantidade absurda de seguidores o que elas comem, como se vestem, onde estão e com quem estão. Queremos expor nossa vida de todas as maneiras possíveis; garantindo que o outro saiba o que está acontecendo, para que dessa forma a gente consiga se sentir bem com quem somos e com a vida que levamos. Mas por algum motivo entendemos que toda essa exposição nos dá o direito de comentar, julgar e falar da vida dos outros da maneira como bem entendermos, assim como também nos faz crer que o que os outros comentam sobre a nossa vida é uma verdade absoluta. Isso nunca foi e nunca será verdade.

Faz parte da condição humana se preocupar com o que o outro pensa sobre nós. Desde pequenos as expectativas sobre a pessoa que nos tornaremos e a vida que teremos é imensa, tanto a nossa quanto daqueles que nos cercam. Mas isso causa um mal imenso em nossa personalidade, além de gerar dúvidas completamente desnecessárias sobre as atitudes que tomamos em nossa vida e a respeito da pessoa que gostaríamos de nos tornar. Se preocupar com o que o outro pensa, de certa forma, ajuda a estabelecer limites sociais de respeito para com o semelhante, e até aí tudo bem, afinal, não podemos fazer e falar o que bem entendemos, se isso magoa, ofende e deprecia as pessoas ao nosso redor. No entanto, esses limites vêm sendo expandidos para aspectos superficiais de nossa vida, tais como tatuagens, roupas, cortes de cabelo, cor do esmalte, além de outras inúmeras críticas que recebemos diariamente e que nos acrescenta em nada. São maneiras de falar do outro que fazem com que ele se sinta inferior, reprimido. Afinal, essa pessoa pode acabar deixando de fazer coisas que gosta, ou de se sentir bem consigo mesmo, por não estar agradando as pessoas a seu redor.

O pior é quando tais críticas se estendem para comportamentos e estilos de vida que em nada afetam a pessoa que faz a crítica. Como, por exemplo, a pessoa quem você namora, a faculdade que você escolheu, o trabalho que você largou, a viagem que você gostaria de fazer, os amigos que você tem; todos esses não são problemas de mais ninguém a não ser seus, e talvez dos seus pais, se eles ainda pagarem suas contas. Nascemos livres para fazer nossas escolhas dentro das nossas limitações sociais e econômicas, e as consequências das nossas opções são de responsabilidade nossa e afetam diretamente a nós, portanto, o que o outro pensa não deveria ter qualquer importância. As pessoas se envolvem demais na vida dos outros sem nada a acrescentar, trazendo apenas dúvidas, críticas e pensamentos negativos que destroem nossa autoestima e nos deixam ainda mais confusos a respeito de nossas decisões. A pessoa que você é e a vida que você leva devem agradar apenas a você mesmo, devem te fazer feliz da melhor maneira possível, e te levarem a se orgulhar de si mesmo, devem trazer satisfação a você e não aos outros, e quem ficar ao seu lado para te acompanhar ficará por escolha, porque gosta e te aceita como você é.

Portanto, pare de julgar as pessoas, pare de falar mal das pessoas, todos temos defeitos, e todos fizemos escolhas erradas e opções que os outros consideram erradas. Quando a crítica for construtiva, saiba dá-la com amor, saiba falar com carinho com aquela pessoa que você gosta tanto, buscando sempre mostrar que você está querendo acrescentar e não a diminuir. E se mesmo assim ela achar que para ela não funciona, tudo bem, a escolha é dela, não sua, a opção é ela quem faz. E se você, de fato, gostar dela, você saberá aceitar e aprender a conviver com isso, e não comentar a respeito pelas costas. Não importa o que o Facebook, Twitter ou Instagram mostrem, somos todos inseguros, vivemos nos questionando, alguns mais que outros, mas todos temos dúvidas a respeito do melhor caminho a tomar e da melhor pessoa a ser. Portanto, tenha isso em mente antes de falar de alguém, palavras machucam demais, e podem fazer grandes estragos na vida do outro. Não somos melhores que ninguém, não sabemos mais do que ninguém, a única coisa que podemos fazer é sermos melhores uns com os outros.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.