Muito além de R$ 0,20 centavos

Brasil, junho de 2013. Insatisfeitos com o aumento das tarifas e a qualidade dos transportes públicos, o povo saí às ruas em sinal de protesto.

O Movimento Passe Livre (MLP), fundado na capital gaúcha, tinha como reivindicação inicial a tarifa zero a todos os estudantes. Com o passar do tempo, o grupo foi ganhando força e apoio de outros brasileiros entre os quais estavam professores, movimentos comunitários, de moradia e de saúde e foi tomando proporções bem maiores.

Ao contrário do que se pensava, as reclamações iam muito além dos R$ 0,20 centavos. Descontentes, grande parte das capitais e algumas cidades do interior foram tomadas por uma multidão que clamava pelo fim da corrupção, não à PEC 37, ao mau uso do dinheiro público, contra o projeto de lei apelidado de ‘Cura Gay’, aos gastos abusivos com a construção de estádios, exigindo construção de escolas e hospitais no padrão FIFA de qualidade e aumento de salário.

A forte e violenta repressão promovida pelos policiais civis e militares contribuiu para que a manifestação ganhasse não só a simpatia como também a adesão de mais brasileiros, que fizeram da internet uma facilitadora para que o movimento eclodisse também no exterior.

As pessoas já não são mais manipuláveis”

Em entrevista, o Tradutor Juramentado, Laerte José da Silva, formado pela Universidade Federal de Minas Gerais, que participou ativamente das manifestações na capital mineira, declarou que “a força do movimento estava, principalmente, na sua organização devido à sua regularidade e abrangência nacional, a despeito da violência e repressão policial, mesmo não havendo um ou mais líderes que se destacassem na multidão.” Para ele, as redes sociais foram fundamentais para a organização do movimento que teve como saldo positivo o povo perceber o poder que tem, mas que o vandalismo e a repressão violenta da polícia destacam-se negativamente. Lembrou, também, que apesar de a mídia tentar manipular a situação, desmoralizando o movimento ao focar a barbárie, as pessoas, hoje. Aprenderam a tirar suas próprias conclusões e já não são mais tão manipuláveis

Objetivando acalmar a nação o aumento das tarifas foi revogado e várias outras medidas estão sendo votadas, inclusive a que considera corrupção um crime hediondo e o arquivamento da PEC 37.

Dois meses se passaram e há quem diga que o “gigante” voltou a dormir; outros, afirmam que muita coisa ainda está por vir. Independente do que possa acontecer, é preciso perceber que a maior manifestação deve ser realizada nas urnas com a participação política através do voto e da vigilância e cobrança contínua diante dos atos dos políticos.