O seu ex não é seu, nem o seu atual.

Hoje a minha série de tweets sobre amor virou esse texto e tudo isso foi para acabarmos (e eu me incluo nisso) com a síndrome de que “é tudo nosso”.

A partir do momento em que descobri que eu sou minha e as pessoas são delas mesmas, as minhas relações mudaram. O que eu aprendi? Aprendi que relações são compartilhamentos e isso me ensinou respeito ao próximo, e principalmente, a mim, ao meu espaço e ao meu tempo.

via: http://restinporn.tumblr.com

Seu ex não é seu, seu rolé (ou rolê) atual não é seu, seu amor não é seu. Cada um é de si e a gente tem, e muito, que aprender isso.

Se até as mães criam filhos para o mundo, avalie os nossos amores!

Ah, quase esqueci: Nós não temos o direito de nos irritarmos com o futuro do outro. O futuro pode até “pertencer a deus”, mas não a gente.