Unboxing booktubers & booktubbies
Ronaldo Bressane
5033

Talvez você tenha todas essas críticas sobre os booktubers simplesmente por não ser o público deles e por não aceitar que o modelo — de negócio e de produzir conteúdo — está mudando.

Você acha absurdo que essa resenhas sejam faladas e não escritas, porque isso não significa que a pessoa saiba escrever bem. Mas já parou para pensar que quem consome esses vídeos quer apenas uma opinião antes de começar um livro? Simples assim.

A leitura não precisa ser algo elitizado, voltado apenas para pessoas que querem análises super profundas. Às vezes, a gente quer apenas ler, e os canais no YouTube ajudam muito na hora dessa escolha, afinal, não é todo mundo que tem dinheiro para comprar todos os livros pelos quais se interessa.

Sobre a questão da ética de ser pago ou não, esse é um conflito não restrito apenas aos influenciadores digitais, como tantas pessoas gostam de falar. A grande mídia também tem rabo preso com anunciantes, também produzem branded content e também tem seus conteúdos limitados por conta de publicidade. E isso é um problema, é claro, mas não adianta colocar o jornalismo como algo isento deste tipo de problema, porque ele não é. Muito pelo contrário!

O dinheiro que o Google paga para influenciadores depende de uma quantidade de visualizações MUITO alta. Para a pessoa conseguir se manter apenas com isso, ela precisa ter um número de inscritos gigante, que não é o caso da maior parte dos booktubers. 300 mil inscritos não garantem o sustento só por meio do YouTube! O que é um erro da plataforma, obviamente, mas as pessoas precisam pagar as contas.

Enfim, entendo e concordo com alguns dos pontos levantado por você, mas achei extremamente antiético divulgar a tabela de preços e expor a youtuber em questão. Acho que existe muito preconceito ainda com os influenciadores digitais — e eu entendo o porquê — , mas tem muita gente produzindo conteúdo bom na internet, e essas pessoas merecem sim receber dinheiro por isso. Publicidade é o melhor método? Não, mas, por enquanto, é o que tem.