A difícil missão de desenvolver personagens mulheres

Já faz algum tempo que tive essa conversa com uma amiga minha e nós duas, ambas feministas e escritoras de finais de semana, lamentamos. Como é difícil elaborar uma personagem feminina, não? Na verdade, a lição não é assim tão difícil na ponta do lápis, mas fácil mesmo é cair em um esteriótipo qualquer ou naquelas caracterizações preguiçosas. Claro, corre o risco de isso acontecer com qualquer personagem que você estiver criando. Mas quando é uma mulher, isso pode ser um tanto mais patético.

Eu percebi muito da minha evolução como ser humano lendo e analisando textos antigos. No passado, a maioria dos meus personagens eram mulheres, mas construídos de uma maneira bem duvidosa. Eu usava muitos artifícios bizarros pra desenvolver a personagem na cabeça de quem lia. Por exemplo, narrava exatamente a roupa que usava, o jeito de andar, o corte de cabelo. E, mesmo que meu estilo de escrita era e ainda é bem descritivo, aquilo sempre significava muito. Ou seja, a moça de roupa curta era safada, sim. A que cortou cabelo cabelo Joãozinho era lésbica, sim, e por aí vai. Eu, enquanto autora, já emitia juízo de valor à elas, antes mesmo de qualquer um.

Vamos combinar que esse é um trabalho muito preguiçoso. Preguiçoso e ruim, porque o grande desafio de quem trabalhava com ficção é criar personagens complexos o suficiente para que não sejam tão óbvios ou matemáticos assim. Até porque nós, enquanto pessoas reais, não somos. Minha sorte é que pude contar com maturidade, evolução e auto-conhecimento pra não cometer mais esse tipo de erro. Isso torna o mundo só um pouquinho menos ruim, porque ainda acontece muito.

Hoje eu escrevo menos sobre mulheres, exatamente por receio de crucificá-las ou contribuir com as tantas visões equivocadas que a gente vê por aí. Com personagens homens me policio para que não aconteça o mesmo, mas os homens são historicamente um pouco menos analisados, categorizados ou julgados por essas besteirinhas que, diferentemente das mulheres, ainda compõem caráter feminino.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.