Eu estive pensando… Será que às vezes, de noite, no escuro, antes de você dormir, você não me sente ai do seu lado? Te abraçando pelas costas e sussurrando ao seu ouvido que te amo?

Será que às vezes, em algum momento mais vazio do dia, você não me sente abraçada a você? Perdida na imensidão dos seus braços, com o rosto apoiado no seu peito.

Será que às vezes, quando estou pensando em você, você recebe meus pensamentos? Será que você sente o calor das minhas lágrimas pingando no seu colo?

Será que às vezes, quando eu sinto que vou me sufocar na dor, você se preocupa se eu estou me cuidando direito? Será que você sente aquele sentimento de antes, de querer cuidar de mim?

Será que às vezes, quando você diz as coisas que me machucam, você está só tentando me fazer sentir a dor que você está sentindo? Será que agora, passado o meu desespero, eu finalmente cheguei no nível de dor que você estava sentindo no início?

Será que às vezes, em qualquer momento que seja, você sente que, apesar de toda a raiva que você está de mim, você ainda me ama? Será que você, em algum breve momento do dia, reprisa na sua cabeça os nossos momentos juntos?

Será que os seus sentimentos tem oscilado, como os meus, entre momentos de muita tristeza, e momentos de muita força?

Será que, às vezes, nos momentos mais solitários, você sente saudades de mim? Será que você tenta preencher todos os momentos do seu dia, para que você possa suprimir essa saudade?

Será que, às vezes, pensando consigo mesmo, você acha que ainda podemos nos perdoar? Será que eu ainda sou importante pra você a ponto de você tentar me perdoar?

Será que você ainda quer que a gente fique junto? Será que a gente ainda vai tentar?

Será que o que eu escrevo faz sentido pra você? Será que as minhas palavras lhe valem alguma coisa? Será que eu ainda sou capaz de tocar seu coração?

Ou talvez eu esteja apenas te irritando, te perturbando, enquanto tagarelo meus sentimentos em textos, esperando o tempo passar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Ana Gabi Cordeiro’s story.