Ode aos apegados

Eu saúdo as pessoas apegadas que, assim como eu, redimensionaram seu mundo por uma pessoa. Eu agradeço àqueles que não me fazem sentir sozinha no ato de carregar, escondido no canto dos lábios, um sorriso bobo, prestes a brotar ao menor sinal de uma memória.

O simples ato de caminhar pelas ruas em que já andamos juntos já me traz esse sorriso. Simples sons me fazem parecer uma criança apaixonada, sorrindo sozinha e aparentemente sem motivo. Eu olho minhas roupas e penso nas vezes que as usei com essa pessoa. Eu estou terrivelmente apegada, sonhando e planejando. Arquitetando planos de tempos em que o amor será a única coisa a nos importar, em que você seja meu Rei e eu seja sua Rainha.

“Não me abandone” é só o que consigo pensar nos momentos de mais desespero. Foi você a pessoa a segurar a minha mão e não me deixar cair. Agora estou segurando não apenas sua mão, mas você por inteiro. Me agarro a ti desesperadamente e subitamente vejo-me apegada. Eu não queria me apegar, mas hoje saúdo aqueles que, assim como eu, caíram pela doçura do amor e se apegaram completamente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.