Desmistificando as grandes obras!

Acabo de terminar a leitura do livro a Grande Magia: vida criativa sem medo de Elizabeth Gilbert, mais conhecida pelo seu best-seller Comer, rezar e amar. Elizabeth destrincha nesse livro o processo criativo e o que é a criatividade para ela, descreve como foi ao longo dos anos o seu processo para se tornar escritora, com uma narrativa simples e leve ela desmitifica que apenas algumas pessoas são criativas.

Tenho a visão bem distorcida (e acho que não sou a única), de como se tornar alguém realmente importante, que produz algo com um grau de criatividade admirável, vejam bem, antes da leitura da Grande Magia, analisei Elizabeth como uma escritora incrível e de muita “sorte” (mesmo não acreditando em sorte), simplesmente quando estava assistindo o filme baseado no livro best-seller dela, não me passou pela cabeça em nenhum momento o quanto Elizabeth teve que escrever e por quantos anos ela já escrevia até chegar em um livro de sucesso, só imaginei que um belo dia ensolarado e de muita inspiração ela com seu “dom mágico” se sentou na varanda e começou a escrever, lógico que não foi nada disso, e no livro ela desmistifica toda essa minha imaginação ingênua, contando todo o seu processo criativo e como realizou um pacto de escrever todos os dias da sua vida, mesmo que não publicasse nada. Ela somente queria ser fiel a sua criatividade e se dedicou todos os dias a ela.

Sei muito bem que todo trabalho incrível teve muito suor, antes de se tornar incrível, e que antes de Comer, rezar e amar, vieram muitas outras obras que nem imaginava, porém meu cérebro ao se deliciar com algo único e mágico me leva para um mundo de fantasia (se assim posso chamá-lo) aonde quero acreditar que tudo vem fácil, esqueço de todo o processo ardo e trabalhoso e fico fascinada e viciada naquela obra, só vejo beleza, imensidão e penso em como queria reproduzir algo tão belo e que fosse tão marcante assim, talvez seja minha mente criativa me levando para outro universo como ela sempre fez desde que me conheço por gente, ou talvez seja o meu “eu” interior querendo fugir da realidade de que nada vem fácil e de graça, por que convenhamos se viesse tão fácil assim que graça teria? E garanto que eu não iria sentir a fascinação que sinto, isso eu tenho certeza!

Grande Magia, me fez abrir um pouco mais meus olhos “mentais” para todo processo criativo e me mostrou que ignorei e bloqueei por anos esse processo (não sabia o que era e simplesmente deixava passar). Então se você assim como eu, ama viver em um mundo cheio de pessoas criativas e que de alguma forma quer viver de algo que faça o seu coração acelerar, leia a Grande Magia e se delicie com essa obra, simples e muito esclarecedora.