Deixa os menino falá

Jorge fala pelos cotovelos. Desde bebê já resmungava dando a pinta de que ia ser assim. Maria vai indo pelo mesmo caminho. E tem um bônus: ela canta. Sério. Eric não. Poucas. Conversa com ele no whats é “s”, “n”, “obg”… raramente sai um “bjs mãe “. Ao vivo é igual. A não ser que desligue o wifi. Ou que dê um microfone e platéia pra ele, aí rapai se solta e puxa até um “Fora Temer” no discurso da colação de grau. 
Escrevo isso quase como uma nota mental. “Deixa os menino falá”. 
Um dia tive de levar Jorge comigo na consulta do pré natal da Maria. O médico, que foi quem fez o parto dele, puxou conversa. Eu me achando a boa mãe, mal dava tempo de o garoto responder e respondia por ele, com um “ né filho?”. O coitado concordava. Aí, o médico que me conhece há anos, deu um puxão de orelha na mamãe exemplar que adivinha as resposta’ da cria : “deixa o menino falar! Adultos tem mania de achar que criança não consegue responder”. 
 Que feio. Que mãe opressora!. Sou o Kim Jong-un da maternidade. 
 Depois deste dia passei a prestar atenção e percebi o quanto eu era inconveniente. 
 Tenho exercitado e notei que a cria tem elaborado melhor as respostas e mesmo que ele sempre tenha sido desinibido, o bichinho tá mais solto, mais independente. 
(Então, só pra constar: me perdoe se já contei a piada antes de você terminar. Hoje sei porque é que ninguém nunca ria).