Cansei

Nunca esta palavra fez tanto sentido, como na minha fase atual. Há cerca de dois anos comecei a praticar o desapego daquilo que me fazia mal. Passei a valorizar e a buscar as situações que me fazem felizes. Não, não falo de felicidade comercial de margarina, nem tampouco tenho a ilusão de estar o tempo todo feliz. Até porque acredito que a tristeza também contribui para nos tornar humanos. Do que cansei? De dar explicações a quem não as merece, tentar agradar quem é eternamente desagradável, de me preocupar com o que acham ou falam de mim, de criar expectativas… Sim, eu abri mão, porque não agregava. E, aos trinta e poucos é exatamente disso que se trata a vida: O que me acrescenta? O que me faz melhor? Não tenho mais tempo a perder com bobagens, a vida passa e se não nos damos conta perdemos o timing das coisas que nos são, de fato, importantes. Falando assim parece fácil, né? Mas não foi! Para transformar eu precisei me modificar e isso trouxe consciência e clareza de muita coisa. Quando a gente muda invariavelmente nosso olhar também se desloca e nosso sentimento fica seletivo. Isso faz com que deixemos pessoas, lugares pelo caminho… Porque entendemos que não é mais parte do que eu sou agora, mas sim do que eu era. É um processo que vai se realizando aos poucos, muitas vezes, dolorido, mas apesar de tudo reconfortante. Porque, você passa a compreender o verdadeiro sentido de frases como: eu não sou obrigada a nada! Porque, não sou mesmo: e isso é libertador!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.