Não que seja importante

Eu estou mal-humorada. Tem a vida. Mas a vida a gente arruma. E tem o mundo, que está uma bagunça. Tem a dor de cabeça, que me deixa sem paciência. Reviro os olhos, às vezes só na minha imaginação. Mesmo assim reviro.

Li hoje um texto da Elvira Vigna e fiquei triste que uma pessoa interessante assim tenha ido tão cedo. É o tipo de gente que eu ia querer ser amiga. Se ela ia querer ser minha amiga, aí é outra história. Talvez não.

É tão irritante que a história seja circular e não linear e a gente não tenha aprendido quase nada ainda. A gente eu digo a humanidade. Era pra gente já ter ido longe. E a gente está aqui, andando em círculos, junto com uma galera que odeia spoilers. E aí vem o mal-humor.