Nem sempre acertamos

Realmente. Nem sempre acertamos. E como dói saber disso. Como é horrível saber que nem sempre ouviremos elogios. E que nem sempre estaremos prontos para errar e começar de novo, de novo, de novo…

Sou extremamente chata. Quero sempre acertar e mesmo que façam uma crítica construtiva, fico mal por dias, remoendo por semanas. “Por que não fiz diferente?” Faço uma auto-cobrança pesada. Quero sempre receber elogios ou pelo menos atingir meu objetivo. Ah, mas que mania mais absurda essa, não é mesmo?

Preciso colocar de uma vez por todas na cabeça, que errar é normal, que não estar bem um dia é comum e não se sair tão bem durante uma semana não é nada fora do normal. Pessoas erram. Pessoas cansam. Pessoas ficam sem criatividade durante alguns dias. Pessoas não se destacam alguns dias. E pessoas desanimam. É normal, mas para mim não é.

As últimas semanas têm sido difíceis. Parece que a cada dia é uma porrada diferente e um soco no estômago mais forte. Parece que quando tento me levantar, vem outro empurrão. Não sei a direção, mas sei que vem com força e me abala de uma maneira arrasadora. Mas o pior é que não entendo o quanto isso é normal e que qualquer ser humano passa/passou/passará por fases como essa.

Só queria poder ficar tranquila. Só queria conseguir dormir sem pensar nas inúmeras falhas que cometi durante o dia. Só queria entender que é normal é errar e que realmente é errando que se aprende…

Tenho certeza que esse clima estranho vai passar. Que essa maré vai ser levada para bem longe uma hora. Sei que a criatividade voltará. Sei que os acertos chegarão. Sei que o ânimo voltará. E os elogios também. Como é difícil entender as estações da vida e que nem sempre acertamos…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.