Chakras e tantrismo

Esses dias estive conversando com um amigo sobre a importância do entendimento do Chakras para uma prática espiritual tântrica. Não há como se falar em Tantra sem se entender primeiro os chakras, pelo menos os sete principais. Quase sempre vemos uma representação visual dos chakras sendo associada ao corpo físico (pela sua localização aproximada no corpo energético em relação ao corpo físico), como nessa figura abaixo.

Gosto dessa representação porque mostra o símbolo de cada chakra e as suas cores (apesar da cor do muladhara e do Manipura serem ensinados ao contrário aqui na escola que estudo, vermelho para Manipura e amarelo para Muladhara). Mas ainda assim, ao mostrar os chakras associados à sua localização relativa junto ao corpo físico, para algumas pessoas pode dar a impressão de que chakras seriam algo mais “físico” e menos “espiritual”.

Primeiramente chakras por definição são algo espiritual por não haver comprovação científica de sua existência. Em todos os materiais que já tive acesso sobre o assunto, sempre se menciona que chakras fazem parte do corpo sutil (em oposição ao físico). De tudo que já li, a explicação apresentada nos materiais da Agama parece a mais fácil de entender: sobre os cinco corpos (five bodies ou five koshas).

5 corpos (5 bodies ou koshas)

Os chakras não estão no corpo físico (Annamayakosha), mas no energético (Pranamayakosha). Eles se relacionam com o corpo físico porque permitem trocas de energia com ele, e por isso, ao performar um asana (pose de yoga) focando em um determinado chakra (digamos, manipura chakra), podemos sentir efeitos físicos dessa pose: em função da troca energética que acontece entre esses dois corpos (físico e energético). Isso é basicamente a base do yoga tântrico: usar técnicas de yoga (Asanas, Pranayamas, etc) com foco em determinado chakra para permitir movimentos de energia.

Chakras e mantras, cores e pétalas

Ao lado direito dos chackras o mantra de cada um deles.

Chakras são partes do nosso corpo sutil energético, e portanto, qualquer representação visual ou auditiva não é acurada: é simbólica, para que possamos nos sintonizar com a energia deles. Nós já sabemos por exemplo que cores são ondas, e que cada cor tem sua frequência. O mesmo ocorre com o chakras, mas não conseguimos (ainda) um aparelho científico para medir a energia de um chakra, portanto usamos outras representações dessa energia: o mantra (som), a cor ou a quantidade de pétalas de um chakra nada mais são que um símbolo de sua frequência.

Representações dos chakras segundo a Agama Yoga

Rituais Tântricos utilizam essa representação simbólica, como por exemplo no Maithuna: parte do ritual utiliza elementos como terra, água e fogo para ativar a energia dos chakras. Assim, é imperativo o entendimento dos chakras para quem pretende estudar tantra, e escolhe sexo tântrico como um caminho espiritual.

Outro entendimento da representação dos Chakras

Outraos símbolos também podem ser utilizados para representar os chakras: as mandalas, que funcionam como yantras: diagramas místicos tântricos. Cada chakra possui um desenho específico que mostra aspectos de si.

Nessa última imagem podemos sentir falta do Sahasrara. Na verdade ele não é exatamente um chakra, mas a reunião de todos os outros (como o branco é a união de todas as cores, e com um prisma conseguimos ver a divisão da luz em todas as outras cores). Entretanto para facilitar o entendimento para as pessoas, o Sahashara normalmente né incluído no ensinamento dos chakras, especialmente para iniciantes em yoga.

Esse texto é apenas um esboço do conhecimento que reuni até o momento sobre os chakras, na escola que estudo a partir do nível 4 de yoga passamos um mês inteiro estudando apenas um chakra, e passando por todos os sete principais, portanto certamente há ainda muito a se explorar a respeito de cada um.

UPDATE 20/05/2016: depois que fiz esse post achei um artigo excelente em inglês desmistificando um monte de coisas a respeito dos chacras, vale a pena a leitura se você se interessa sobre o assunto: http://www.tantrikstudies.org/blog/2016/2/5/the-real-story-on-the-chakras

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.