Porque o meu namoro não me faz feliz


Esses dias eu estava no salão de beleza, cortando meu cabelo e conversando com meu cabeleireiro . Passeamos por diversos assuntos, até que ele me pergunta se eu já estava namorado. Digo que sim e então começamos a dialogar sobre esse assunto. No meio da conversa ele relata uma fala de sua filha (uns 2 anos mais nova que eu), que dizia o seguinte: “Pai, eu estou triste, preciso de um namorado, já estou ha 5 meses sem namorar.” 
Essa seria uma fala comum se não parássemos pra pensar no que ela realmente quer dizer. Essa fala representa o porque vemos inúmeras pessoas frustadas em seus relacionamentos ou frustadas pelo simples fato de estarem solteiras: a grande expectativa de encontrar a felicidade em uma outra pessoa.
Dentro da psicologia já podemos encontrar diversos estudos referentes a esse tema, tonando-se possível concluir que é responsabilidade demais para colocar sobre uma pessoa só (1). Se durante o relacionamento ou o processo que antecede o namoro nossas expectativas são frustadas, é questão de tempo para que a sensação de fracasso e desilusão nos alcance. Ou alcance nosso parceiro, quando o culpamos por essas sensações. O conceito desse amor romântico e ideal, propõe uma luta em busca de uma pessoa que vai suprir todas as nossas necessidades. E sinceramente? Quando eu penso nisso só vejo cobrança e frustração sobre frustração. Ouvi um homem muito sábio esses dias falar que “o que nos frusta não são as pessoas, e sim as PRÓPRIAS expectativas que tínhamos sobre aquela pessoa.”

Uma coisa que pode nos ajudar a lidar com essas expectativas é entender de onde elas vem (não surgem do nada). De um relacionamento anterior turbulento, de uma baixa auto estima, de uma família disfuncional, talvez? Cabe a cada um se examinar e crescer em auto conhecimento (que diga-se de passagem, é uma das coisas que mais nos ajuda a entender as aflições da vida), para tentar compreender de onde vem essa ideia de que realmente precisamos (no sentido de necessidade única) de uma outra pessoa para sermos felizes.

É injusto consigo mesmo. É injusto com seu parceiro. 
É peso demais para simples humanos como nós.

É por isso que no titulo, afirmei que meu namoro não me FAZ feliz. Porque ele não é a fonte única de felicidade da minha vida. Entendendo que somos seres relacionais, posso afirmar que em um namoro nós aprendemos a ser felizes juntos, claro, mas também compartilhamos as felicidades que cada ser vive individualmente. E nisso consiste a saúde do relacionamento, onde a dependência emocional não tem vez.

O que eu respondi para meu cabeleireiro foi algo muito simples: “antes de tentarmos ser completamente felizes com uma outra pessoa, precisamos ser felizes sozinhos.” Ele ficou surpreso e me disse: “Olha! E não é que é verdade? Vou falar isso para a minha filha.” E assim encerramos nossa conversa.
Só fiquei pensando no quanto ele nem faz ideia da grande responsabilidade que ele tem, como pai, nessa busca de amor que a filha dele tanto busca. Bom, mas isso daí já é uma outra história… e fica para um próximo texto.

(1) http://www.jorgeforbes.com.br/br/entrevistas/felicidade-%C3%A9-responsabilidade-pessoal-e-intransfer%C3%ADvel1.html